BRASIL: Petistas comemoram aquecimento do mercado de trabalho e criticam pessimistas

Compartilhar

 

De acordo com o Ipea, a queda na taxa de desocupação tem ocorrido de forma contínua desde 2009. No ano passado, o desemprego apresentou a sua menor média anual, registrando a marca de 5,5%. Dados da entidade demonstram ainda tendência de queda continuada desse indicador.

 
Por PT Câmara Quarta-feira, 6 de março de 2013

A elevação da renda dos trabalhadores e os mais baixos índices de desemprego registrados na história em 2012, desmentem os argumentos usados por grande parte da mídia que noticia uma suposta crise instalada no País.
Essa é a avaliação dos deputados Francisco Chagas (PT-SP) e Paulão (PT-AL), sobre os números apresentados no boletim Mercado de Trabalho, Conjuntura e Análise, divulgado nesta semana pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Em 2012, segundo a entidade, o mercado de trabalho brasileiro registrou um “ótimo desempenho”.
De acordo com o Ipea, a queda na taxa de desocupação tem ocorrido de forma contínua desde 2009. No ano passado, o desemprego apresentou a sua menor média anual, registrando a marca de 5,5%. Dados da entidade demonstram ainda tendência de queda continuada desse indicador. O desemprego fechou o ano de 2012 em 4,6%, o menor patamar desde a implementação da metodologia atual da Pesquisa Mensal de Emprego, iniciada em 2002.
Já em relação a renda, o estudo apontou aumento de 2% para os trabalhadores formalizados, em relação a 2011, e 8% para os trabalhadores sem carteira assinada. De acordo com o Ipea, a redução na diferença entre os rendimentos de trabalhadores com e sem carteira “não se deve a uma queda no salário dos trabalhadores com carteira”.
“Essa é a prova de que o Brasil vive o melhor momento de sua história para os trabalhadores. É um momento de pleno emprego. Em 2012, por exemplo, quase todas as convenções coletivas garantiram aos trabalhadores acordos salariais acima da inflação”, destacou Francisco Chagas. Na avaliação do deputado Paulão, o desempenho do mercado de trabalho também é consequência das medidas adotadas pelos governos Lula e Dilma.
“Esse resultado é fruto do modelo instituído pelo ex-presidente Lula e pela presidenta Dilma, que promove o crescimento do país com distribuição de renda. Muito diferente do que ocorreu durante o governo neoliberal de FHC, quando o crescimento econômico foi menor, e ainda houve concentração de renda”, relembrou.
Críticas- Ao analisar o boletim do Ipea, o deputado Francisco Chagas considerou sem fundamento as críticas da grande imprensa. “Não vejo motivos para tanto pessimismo”, apontou. Para o deputado Paulão, “a grande mídia age como porta-voz da oposição ao não se contentar apenas em noticiar os fatos, mas se comportando como a verdadeira oposição, e tentando influenciar os rumos do país”, acusou.

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais