BRASIL: Alexandre Padilha nega especulações sobre desmonte do SUS

Compartilhar

 

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, desmentiu veementemente as especulações de que o Governo estaria negociando com as grandes operadoras de planos de saúde, medidas para incentivar a expansão de “planos de saúde pobres para pobres” e, consequentemente, o desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS)

 
Por PT no Senado Terça-feira, 12 de março de 2013

Na abertura do congresso do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems-SP) no último final de semana, o ministro negou que essa especulação exista e reafirmou o compromisso do Governo da Presidenta Dilma Rousseff com o fortalecimento da saúde pública brasileira .
A aparente campanha pelo desmonte do SUS começou a tomar corpo nas redes sociais desde que o jornal “Folha de São Paulo” publicou artigo, no último dia 27, na sessão de opinião. Assinado por três professores universitários de áreas médicas, o artigo afirmava que “o desmonte do SUS vem sendo negociado, a portas fechadas, em encontros da presidente Dilma Rousseff com donos de planos de saúde”.
Segundo o burburinho, um pacote de medidas para reduzir impostos e garantir subsídios estaria sendo preparado, com o intuito de expandir a assistência médica suplementar. Para o ministro, tudo não passa de espuma.
“A culpa não é do jornal. Eles apenas publicaram alguma coisa que alguém falou. Algum boato que alguém fez. Existe um debate sobre a agenda regulatória, na Câmara de Saúde Suplementar, que é pública, é transparente e não tem nada a ver com a especulação feita. Até porque, seria estranho alguém imaginar que um Governo que está acabando com a miséria do País, vai debater ou discutir alguma proposta de plano de saúde pobre, voltado para os pobres. Isso sequer foi apresentado em qualquer reunião com o ministro da saúde ou com a presidenta Dilma”, assegurou.
Padilha disse que não estaria à frente de um Congresso de secretários municipais de saúde se a notícia tivesse um mínimo de veracidade. “Entre nós, gestores de saúde, não pode haver dúvida de que somos defensores do SUS. Todo secretário de saúde, as vezes vive uma relação bastante intensa com boatos que saem na imprensa. Não é bom para nós, que a gente acredite mais em especulação que surge na imprensa do que na relação que temos entre nós”, afirmou.
*Com informações do blog Saúde Brasil

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais