BRASIL: Genoíno: "Julgamento foi espetáculo midiático"

Compartilhar

 

Na avaliação do petista, condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a seis anos e 11 meses de prisão, o julgamento "foi um grande espetáculo impulsionado por setores da grande mídia sem dar espaço ao contraditório"

 
Por Portal Vermelho Terça-feira, 9 de abril de 2013

Determinado a "lutar até o fim" contra uma condenação que considera "injusta", o deputado federal José Genoíno (PT-SP) fez uma série de críticas à Ação Penal 470, o julgamento do `mensalão`, durante entrevista concedida ao jornalista Kennedy Alencar, que foi ao ar na noite deste domingo no programa É Notícia, da RedeTV!
Na avaliação do petista, condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a seis anos e 11 meses de prisão, o julgamento "foi um grande espetáculo impulsionado por setores da grande mídia sem dar espaço ao contraditório".
"Respeito e vou cumprir as decisões do Supremo, mas vou discutir até o fim. E a vida me mostra que a verdade, mais cedo ou mais tarde, prevalecerá", disse o deputado. Genoíno acrescentou que é uma "sensação dura estar condenado e ser inocente", mas afirma que lutará contra essa injustiça, que "fez parte de uma construção que tem parte de fantasia, de fatos de campanha eleitoral e de outras pessoas que botam tudo na onda para criar o efeito manada", num julgamento "profundamente influenciado por uma campanha".
Questionado sobre o fato de ter presidido um PT que manteve relações próximas com Marcos Valério, apontado como operador do `mensalão`, o deputado garantiu que apenas "fazia política" e insistiu que não teve reuniões nem fez visitas ao publicitário mineiro. "Como presidente do PT, eu cuidava das alianças políticas, das alianças eleitorais. Eu não aceito ser condenado como criminoso por uma prática que eu não pratiquei", afirmou.
O parlamentar lembrou que não "teve uma prova" de que um deputado recebeu dinheiro em troca de voto e mostrou uma tabela da Receita Federal referente à Visanet, apresentada pelo consagrado jornalista Raimundo Pereira na edição de novembro da Revista Retrato do Brasil, que mostra "que todo aquele dinheiro da Visanet foi pago por eventos que ocorreram, promoções que aconteceram, veiculação de propaganda que não têm nada a ver com o PT", numa comprovação, segundo ele, de que não houve envolvimento de dinheiro público.
José Genoíno não acredita que o PT tenha se corrompido no poder, como sugeriu o entrevistador, mas admitiu que deveria ter priorizado uma reforma política já em 2003 para garantir o financiamento público, proibindo a ação de empresas privadas e fidelidade partidária. Ele reafirmou que "não é verdade" que tenha havido corrupção por parte do PT no poder: "Ninguém comprou voto, não tem nenhuma prova e não houve uso de dinheiro público, está aqui o documento da Receita Federal".
Afirmando ao jornalista que tem um "compromisso radical com a democracia", o deputado do PT lembrou de episódios como sua prisão e a passagem pelo "pau-de-arara", durante o período da ditadura militar, e o fato de não ter "título de doutor", tudo em luta pela democracia. Apesar de se recusar a conversar sobre as formas de recurso que acionaria contra sua condenação, o parlamentar não disse que descarta recorrer à Corte Interamericana de Direitos Humanos. "Pretendo lutar em qualquer situação para defender que não pratiquei crimes", disse.
Polêmica com o CQC
Genoino disse ter "uma posição muito crítica em relação a esses programas de humor", numa referência ao CQC, da TV Bandeirantes, que recentemente entrevistou o deputado por meio de um garoto, que se passou por um admirador. "Eu faço questão de nem citar esse programa porque o humor que ataca a pessoa, que faz execração pública e até usa uma pessoa para criar uma situação de constrangimento é um fenômeno de intransigência". Ele disse que se recusa a dar entrevistas para não legitimar esse tipo de programa e agradeceu à blogosfera pelo apoio concedido a ele no episódio. Um conselheiro do Ministério Público chegou a entrar com duas ações contra a atitude do humorístico.
Ele lembrou que quando se concede entrevista a um programa como o CQC, ela é "enfeitada", "colorida", recebe "adereços", e que por isso "não compensa". O petista disse que dá qualquer tipo de entrevista, seja dura ou não, mas desde que seja uma entrevista. "Eles têm o direito de estar lá, mas eu tenho o direito de não dar entrevista. Porque as perguntas são provocativas, as perguntas são de ataque, não têm o nível respeitoso de transmitir a informação". Segundo ele, "esse tipo de jornalismo não é para levar a informação, é para levar a execração".
Parte 1

Parte 2

Parte 3

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais