BRASIL: PT coletará assinaturas para projeto de reforma política

Compartilhar

 

Partido quer pressionar a convocação de uma assembleia constituinte exclusiva para tratar de mudanças no sistema político

 
Por Piero Locatelli - Carta Capital Sábado, 13 de abril de 2013

O PT vai coletar assinaturas em todo o país para um projeto de reforma política de iniciativa popular. A proposta inclui o financiamento público exclusivo de campanhas e o voto para parlamentares feitos em listas fechadas elaboradas pelos partidos. Além disso, o partido quer pressionar a convocação de uma assembleia constituinte exclusiva para tratar de mudanças no sistema político.
Eventos amplos de coleta de assinaturas serão feitos ao menos no Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo e Belo Horizonte. Um encontro aberto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve acontecer na capital paulista na próxima terça-feira 16. O partido também pretende levar propagandas à televisão, mas ainda estuda como isso deve ser feito. O teor da campanha ainda não foi decidido, mas deve ser feito pelo marqueteiro João Santana.
Para viabilizar a proposta, o partido precisa arrecadar assinaturas de mais de um por cento do eleitorado brasileiro. Além disso, ela precisa ter o apoio de ao menos 0,3% do eleitorado de cinco Estados. Depois, o projeto tramitaria normalmente no Congresso Nacional. Devido à dificuldade deste processo, o partido acha que seria inviável que as regras valessem para as eleições de 2014.
A direção nacional do partido se reuniu para tratar do assunto na sexta-feira 12, em São Paulo. Na mesma semana, um projeto mais amplo de reforma, relatado pelo deputado Henrique Fontana (PT-RS) não conseguiu ser votado na Câmara dos Deputados.
Financiamento público e lista fechada
O novo projeto petista acaba com a possibilidade de empresas e pessoas doarem dinheiro a partidos e candidatos, como ocorre atualmente. Seria criado um fundo de dinheiro público para bancar as campanhas. O presidente do partido, o deputado estadual Rui Falcão, diz que esta seria “a melhor maneira de combater o abuso econômico nas eleições”. A forma como o dinheiro seria distribuído entre os partidos ainda não foi definida.
A proposta da lista fechada muda como são eleitos deputados, senadores e vereadores. Com ela, os eleitores não votariam mais nos nomes dos candidatos, mas escolheriam somente a legenda de preferência. Os partidos definiriam as listas com a ordem dos candidatos, tendo a obrigação de alternar homens e mulheres – o que aumentaria a participação feminina no legislativo.
Assembleia nacional constituinte
O partido também quer pressionar a criação de uma assembleia nacional constituinte exclusiva para tratar de outros temas da reforma política. Falcão justificou a proposta dizendo que “os atuais deputados e senadores têm muita dificuldade para alterar a lei eleitoral”. O PT, porém, ainda não definiu como será feito este pedido, já que a Constituição não estabelece que a convocação de uma assembleia possa ser feita a partir da iniciativa popular.
A nova assembleia serviria para deliberar sobre temas que não serão discutidos inicialmente. Entre eles, estaria o fim das coligações em eleições proporcionais, que enfraquece partidos menores e fortalece PT, PSDB e PMDB. Além disso, também estaria em jogo a coincidência das eleições para todos os cargos. Com a proposta, o Brasil deixaria de ter eleições de dois em dois anos e passaria a ter pleitos somente a cada quatro.

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais