BRASIL: 125 anos da Lei Áurea: secretária destaca iniciativas contra o racismo e pela promoção da igualdade nas escolas

Compartilhar

 

Passado mais de um século, a população afrodescendente ainda sofre as conseqüências do racismo, sendo por isso considerado um dia de luta.

 
Por Porta Planalto com informações do MEC Segunda-feira, 13 de maio de 2013

A secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do Ministério da Educação, Macaé Evaristo, analisou, nesta segunda-feira (13) as iniciativas sobre as relações etnoeducacionais. “Estamos rompendo o silenciamento sobre o racismo nas escolas”, disse ela. A declaração foi feita no dia que marca os 125 anos da Lei Áurea, que aboliu a escravidão no Brasil, em 1888.
Passado mais de um século, a população afrodescendente ainda sofre as conseqüências do racismo, sendo por isso considerado um dia de luta.
A secretária destacou como um dos marcos no combate ao racismo a publicação da Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que torna obrigatório o ensino da história e da cultura afro-brasileira no ensino fundamental e médio. Segundo Macaé, a lei é um reconhecimento do Estado brasileiro. “Anteriormente, tínhamos um processo de debate, que era feito pelo movimento negro, mas muito pouco reconhecido do ponto de vista institucional”, afirmou.
O MEC mantém programas de combate ao racismo e de promoção da igualdade racial na educação básica e superior. As ações envolvem formação inicial e continuada de professores, produção e distribuição de material didático e criação de indicadores da qualidade da educação para a história e cultura afro-brasileira.
Em uma década, a obrigatoriedade de inclusão do novo conteúdo curricular criou entre os professores uma demanda de formação continuada em educação para as relações etnorraciais. Em 2012, mais de 40 mil profissionais do ensino procuraram cursos de formação continuada na área.
A secretária destacou a política de cotas como um processo de democratização do acesso à educação superior atuante na promoção da igualdade. “A ação afirmativa permite a convivência com populações historicamente excluídas no espaço público”, afirma Macaé. “A nota dos cotistas aprovados nas universidades federais é muito próxima à nota da ampla concorrência.”
Bolsa
Para garantir a permanência desses estudantes nas universidades, o MEC lançou na quinta-feira (9), o programa Bolsa-Permanência. Serão concedidas bolsas a estudantes que atendam critérios da política de cotas, estejam matriculados em cursos com carga horária superior a cinco horas diárias e que tenham renda familiar mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa.
Também terão direito ao benefício os indígenas que vivem em comunidades tradicionais reconhecidas e os quilombolas matriculados em universidades federais, independentemente do curso.

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais