BRASIL: 17 milhões de empregos no governo Lula, 4 milhões no de Dilma...

Compartilhar

 

É isso que levou a presidenta Dilma Rousseff a registrar com ênfase em seu programa de rádio “Café com a presidenta”, levado ao ar ontem, que o Brasil criou 4,139 milhões de empregos formais desde 1º de janeiro janeiro de 2011, dia em que ela assumiu o governo.

 
Por José Dirceu, em seu blog
Terça-feira, 21 de maio de 2013


Mais de 4 milhões de empregos gerados no país só nos dois primeiros anos de governo Dilma Rousseff. E só precisamos lembrar que eles decorrem da continuidade das políticas de emprego, renda e salários adotada em oito anos de governo Lula (2003-2010), período em que foram criados nada menos que 17 milhões de vagas formais (incluindo o setor público) no mercado de trabalho no Brasil.

Contra fatos, como digo sempre, não há argumentos. É isso que levou a presidenta Dilma Rousseff a registrar com ênfase em seu programa de rádio “Café com a presidenta”, levado ao ar ontem, que o Brasil criou 4,139 milhões de empregos formais desde 1º de janeiro janeiro de 2011, dia em que ela assumiu o governo.

"Chegamos a essa marca histórica agora no mês passado (abril), quando foram gerados quase 200 mil novos postos de trabalho (no mês)", destacou a presidenta, antecipando os dados oficiais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) que o Ministério do Trabalho divulga esta semana.

Meio milhão de empregos gerados só na construção civil

Para ser mais precisa, a chefe do governo, inclusive, já detalhou os dados a que se referia: o setor de serviços foi o responsável pela geração de quase metade desse número desde janeiro de 2011, alavancada principalmente pelos setores de saúde, educação e comércio. “Ampliaram-se muito, também, as oportunidades de trabalho no setor de serviços financeiros, devido à chamada bancarização da nossa população, (do segmento) que antes não usava banco e passou a usar”, disse a presidenta da República.

Ela observou, ainda, que outro meio milhão de empregos foi criado na construção civil. Foram vagas formais estimuladas por investimentos privados e públicos, como o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. A presidenta defendeu as compras do governo federal como medida para estimular a geração de emprego na indústria e nas micro e pequenas empresas.

“Essas compras que o governo federal faz - acentuou - melhoram a vida da população e também ajudam a aquecer a produção da indústria. Iisso gera emprego, necessariamente”, disse. Principalmente na “indústria de material de transporte”, que produz carros, caminhões, ônibus, vagões, locomotivas, retroescavadeiras e autopeças.

Os estímulos à economia provaram sua eficácia

Por isso, justificou ela, seu governo esteve atento a adoção de medidas de estímulo à área. “Diminuímos o IPI dos carros e dos caminhões, diminuímos os juros dos empréstimos para quem compra caminhões e ônibus, e também desoneramos a folha de pagamento das empresas de transporte coletivo”, defendeu.

Assim, concluiu a presidenta Dilma, a taxa de desemprego registrada em março deste ano foi de 5,7% - a menor para os meses de março dos últimos 11 anos. “Isso mostra que o Brasil vive hoje praticamente em pleno emprego e que o desemprego tende a se manter muito baixo”, afirmou.

Comparada com a situação que se vê nos Estados Unidos e na Europa, às voltas com o desemprego em massa, recorde na história de muitos países, e com uma crise econômica na qual patinam e não conseguem debelar, vê-se que estamos no caminho certo.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais