Jorge Viana quer "reforma política, já” - e com consulta pública Viana: "cabe ao Congresso propor, discutir e aprovar essas medidas, que vêm ao encontro com o que manifestantes esperam" Por PT Senado Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Vice-presidente d

Compartilhar

Jorge Viana quer "reforma política, já” - e com consulta pública

Viana: "cabe ao Congresso propor, discutir e aprovar essas medidas, que vêm ao encontro com o que manifestantes esperam"

 
Por PT Senado
Quinta-feira, 27 de junho de 2013


Vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC) ocupou as redes sociais na manhã desta quinta-feira, 27 de junho, para fazer a defesa de uma profunda e radical reforma política. Ele criticou “setores da mídia” e da “elite brasileira”, que vêm criticando o debate. “Querem política e Congresso como saco de pancadas”, alfinetou. “A hora é de reforma política, já”.

Entre as medidas defendidas por Viana está a redução do número de cadeiras no parlamento. Ele pediu aos internautas sugestões para influir nas discussões que já começaram no Congresso. “Reforma política que atenda interesses do país e clamor das ruas não pode depender só do Congresso, precisa de consulta popular”, disse. Ele apoia a proposta da presidente Dilma Rousseff de um plebiscito para “ouvir a voz das ruas”.

De acordo com o senador petista, pelo menos cinco pontos não podem ser deixados de fora das discussões em torno da reforma, incluindo medidas para reduzir o poder econômico nas eleições e dispositivos legais que permitam ampliar o acesso de candidatos sem vínculos partidários e reduzir o número de cadeiras no parlamento.

Desde o ano passado, Viana insiste no financiamento público de campanha para reduzir o poder econômico na vida política nacional. “O momento é ideal para chamar a cidadania, os jovens, os setores organizados da nossa sociedade para pressionar o Parlamento”, explica.

“Cabe ao Congresso propor, discutir e aprovar essas medidas, que vêm de encontro ao que manifestantes esperam: mais transparência e menos corrupção na política”, comentou. Jorge Viana defende a proibição da doação de recursos de empresas e pessoas jurídicas para candidatos, que passariam ainda a ter estabelecido um teto para os gastos nas eleições.

“Também não pode faltar na reforma política: redução do número partidos políticos, limitação de acesso ao fundo partidário e tempo na TV e candidaturas avulsas, sem vínculos partidários”, apontou no twitter e no facebook.

O senador acredita que chegou a hora de por fim à coligação de partidos nas eleições proporcionais e defendeu a redução do número de cadeiras no Congresso Nacional e Assembleias Legislativas. Ele também apoia a flexibilização da legislação para reduzir o número de assinaturas necessárias como condição para apresentação de projetos de lei de iniciativa popular.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais