BRASIL: Senado aprova novo texto sobre royalties que permite aplicação mais rápida de recursos

Compartilhar

 

“Com isso, a educação passará a receber imediatamente recursos, que de acordo com o texto aprovado pela Câmara, só seriam de fato repassados em 2018 ou 2020, explicou o líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI)

 
Por PT Senado
Quarta-feira, 3 de julho de 2013


O plenário do Senado aprovou, na noite de terça-feira (2), em votação simbólica, o substitutivo do senador Eduardo Braga (PMDB-AM) ao projeto de lei 41/2013, que define as novas regras para definir em que áreas devem ser aplicados os recursos provenientes dos royalties do petróleo. Como houve mudanças no texto aprovado pela Câmara, a matéria volta para nova análise dos deputados.

Logo após a votação, o líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI) dirigiu-se aos estudantes que lotavam as galerias do Senado, apesar da hora em que a votação foi concluída: 23 horas. “Vocês saíram vitoriosos, porque há bem pouco tempo era impossível pensar em vinculação de recursos provenientes da exploração do petróleo para educação”, disse, lembrando que tentou defender a vinculação de 50% dos royalties para a educação e não conseguiu. “Não podíamos sequer falar nisso”, recordou. “Foi a mobilização de vocês que fez a diferença”, concluiu, sendo muito aplaudido.

O texto aprovado estabelece que, no caso dos contratos firmados antes de 3 de dezembro do ano passado, da parte que cabe à União referente aos royalties do pré-sal e à Participação Especial ou bônus de assinatura – compensação financeira paga pelas empresas exploradoras – 50% dos recursos serão aplicados diretamente em educação. E a outra metade comporá o Fundo Social – uma poupança que o País fará a partir da exploração do pré-sal e que ficará aplicada.

“Com isso, a educação passará a receber imediatamente recursos, que de acordo com o texto aprovado pela Câmara, só seriam de fato repassados em 2018 ou 2020, explicou o líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI)

Ficou decido que, no que se refere à parte da União, valem as “declarações de comercialidade” feitas antes de 3 de dezembro de 2012. Mas, para evitar uma polêmica jurídica com relação ao uso dos recursos dos estados e municípios, valem apenas os contratos efetivamente assinados. Isso porque há poços que levam entre 7 e 10 anos para começar a gerar recursos. Existem, inclusive, campos licitados com contrato, ainda sem declaração, e que serão explorados.

Da parte que cabe à União referente aos royalties do pré-sal e à Participação Especial ou bônus de assinatura – compensação financeira paga pelas empresas exploradoras – os recursos serão destinados preferencialmente à educação. Isso será ainda regulamentado pelo Executivo Federal.

Já no caso dos investimentos dos royalties referentes aos estados e municípios, cada Executivo local deverá regulamentar como será o rateio entre os setores de educação e saúde. Vale observar que, se estados e municípios não se adequarem às novas regras, não receberão sua parte em royalties.

Além disso, da parcela que irá compor o Fundo Social a metade dos rendimentos desse Fundo terá como destino a educação, que receberá 75% do total, e a saúde, que ficará com os 25% restantes. A outra metade dos lucros do Fundo será investida em áreas como tecnologia, meio ambiente, cultura e esportes.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais