Comissão vai fazer 3 audiências para discutir Mais Médicos

Compartilhar

Serão convidados representantes de médicos, universidades, governo e da população

 
Por PT Senado
Terça-feira, 27 de agosto de 2013


A comissão mista que analisa o Programa Mais Médicos, criado pelo governo federal por meio da Medida Provisória 621, decidiu, nesta terça-feira (27), promover três audiência públicas para debater o assunto com a sociedade. O líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), defendeu a realização das audiências: “Esta matéria requer desta comissão e da sociedade um grande debate”, afirmou Pimentel.

A primeira audiência, que deve acontecer na próxima terça-feira (3), vai debater o exercício da medicina e a contratação dos médicos, incluindo os estrangeiros. Para essa reunião, serão convidados representantes do Ministério da Saúde, do Conselho Nacional de Saúde (CNS), do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), do Fórum Permanente de Dirigentes de Escolas Federais de Medicina (Formed) e da organização Médicos sem Fronteiras.

A segunda audiência pública, prevista para o dia 4 de setembro, vai discutir a formação dos médicos. Representantes do Ministério da Educação, em especial do Conselho Nacional de Residência Médica (CNRM), do Ministério da Saúde, da Associação Médica Brasileira (AMB), da Associação Brasileira de Educação Médica (Abem) e da Andifes participarão do encontro.

A terceira audiência vai debater as relações de trabalho entre os médicos contratados e o governo brasileiro. Antes de sua realização, o senador Pimentel disse que os parlamentares terão acesso ao Acordo de Cooperação Técnica firmado entre o Ministério da Saúde do Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). “Teremos o documento em mãos para subsidiar a discussão”, garantiu o líder. O convênio trata da contratação dos médicos cubanos, que começaram a chegar ao País no último fim de semana e agora passam por um treinamento sobre a língua portuguesa e a saúde pública no Brasil.

Esse terceiro debate deve ser realizado no dia 10 de setembro. Serão convidados representantes dos ministérios das Relações Exteriores e da Saúde, da Opas, da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

O programa Mais Médicos visa, principalmente, garantir atendimento de saúde à população brasileira no interior, nas regiões de fronteira e nas periferias das grandes cidades, onde, hoje, há carência de médicos.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais