Presidente do PT apela para que plenário do STF analise pedido de explicações à Gilmar Mendes

Compartilhar

 

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, registrou nesta quarta-feira (19) agravo regimental no Supremo Tribunal Federal (STF) insistindo para que o ministro Gilmar Mendes se explique sobre as declarações que deu à imprensa, sugerindo a ocorrência de crime de lavagem de dinheiro pelo Partido dos Trabalhadores, seus militantes, simpatizantes e amigos que contribuíram solidariamente com as famílias dos condenados para o pagamento das multas pela Ação Penal 470. A ação, protocolada hoje, é dirigida ao ministro Luiz Fux, que, em decisão monocrática, negou seguimento a um primeiro pedido de explicações de Mendes em juízo, publicada no último dia 14. Falcão pede agora que o pedido seja analisado pelo plenário do STF.

O pedido é todo fundamentado nos termos do artigo 144 do Código Penal, pois a direção do PT se julgou ofendida diante das alusões e avalia ação criminal contra Mendes pelo crime de difamação. Em sua decisão, como relator do caso, Fux não reconhece a legitimidade da direção do PT para ingressar em juízo em nome de seus associados, alegando ainda que a pessoa jurídica não poderia cometer o crime de lavagem de dinheiro, de modo que as declarações não poderiam configurar o delito de calúnia.

Em seu argumento, o agravo define que “o Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores tem, sim, legitimidade ativa para ingressar com a presente Interpelação Judicial Criminal” e baseia o pedido para que o colégio reforme a decisão em duas razões: “a Interpelação Criminal Judicial constitui providência de quem se sente moralmente afetado pelas declarações dúbias e como a pessoa jurídica tem honra objetiva, pode ser afetada moralmente” e a segunda é que “a pessoa jurídica pode ser vítima do crime de difamação, conforme entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal e em nenhum momento a interpelação, cujo seguimento foi negado, afirma ter havido calúnia. Ao contrário, o que justifica o pedido de explicações é exatamente a dubiedade das declarações do interpelado, que não permitem concluir tratar-se de difamação ou calúnia e, s.m.j., parece-nos que tampouco o Exmo. Sr. Relator concluiu sobre qual a modalidade de ofensa foi praticada, se é que o foi”.

Ainda em seu argumento, o agravo alega que Gilmar Mendes precisa esclarecer “se atribuiu fato desonroso com intenção de ofender a honra da pessoa jurídica”. E conclui: “Prematuro, data vênia, impedir a pessoa jurídica, por falta de legitimidade ativa, de buscar esclarecimentos sob o pálio da falta de legitimidade ativa, pois o que se pretende é justamente oportunizar que o interpelado esclareça o que pretendeu dizer. Negar a legitimidade ativa da pessoa jurídica é reconhecer que a pessoa jurídica não pode defender sua honra, sua reputação, sua imagem perante a sociedade”, diz o agravo.

 

Clique aqui para ler a ação na íntegra.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais