Dilma apoia plebiscito popular por Constituinte Exclusiva pela Reforma Política

Compartilhar

A presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição, declarou nesta terça-feira (2) apoio à mobilização que ocorre até o dia 7 de Setembro e reúne 416 entidades em torno da realização de Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva pela Reforma Política, 90 delas no Dia da Independência.

“Pela importância da Reforma Política, por tudo o que ela carrega, pelo fato de ser necessário uma transformação de todas as instituições, a participação popular é uma questão fundamental. Sem ela não se fará Reforma Política no Brasil”, afirmou a presidenta, durante caminhada em São Bernardo do Campo (SP).

A presidenta disse que no dia 7 de setembro votará no plebiscito e receberá as propostas dos movimentos sociais para reforma política. “É uma questão fundamental para o futuro do nosso País. Se nós queremos de fato um processo democrático, e que este processo democrático resulte em transformações no nosso País, que garantam uma governabilidade muito melhor, mais efetiva, nós precisamos da reforma política”, defendeu Dilma.

Dilma explicou que a reforma política tem conteúdo eleitoral e também propõe mudanças no papel das instituições, e que por isso é fundamental a participação popular. Rousseff. “É a participação por meio de consulta popular para que a gente possa de fato construir as condições para que o País adote uma Reforma Política, a mais ampla e democrática, que assegure transparência e que assegure a preservação dos interesses da população, do povo brasileiro, em relação ao uso da coisa pública”.

 

Mais indústria


A presidenta também comentou os dados divulgados nesta terça-feira (2), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de que a produção industrial brasileira cresceu 0,7% em julho, frente a junho, com destaque para os Bens de Consumo Duráveis (20,3%) e para os Bens de Capital (16,7%).

Dilma lembrou que o governo brasileiro tem fomentado linhas de crédito especiais com juros menores para as indústrias brasileiras. E analisou que o crescimento da indústria registrado pelo IBGE é consequência direta do Programa de Sustentação do Investimento, que justamente financia a produção industrial.

“É fundamentalmente um programa de compras de bens de capital, e o bom dado dessa recuperação do crescimento da indústria é que ela se dá justamente nos bens de capital e nos bens duráveis”, explicou a presidenta.

A presidenta reafirmou ser a favor de políticas industriais que promovam a geração de novos empregos. “No Brasil, sem políticas industriais não iremos avançar, mantendo este crescimento do emprego que nós obtivemos durante o período do governo Lula e do meu. No meu governo, criamos 5,5 milhões de empregos”, disse Dilma Rousseff.

Fonte: Equipe Dilma

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais