Realizações de Dilma massacram Aécio em debate na Record

Compartilhar

O debate realizado na noite deste domingo (19) na TV Record mostrou de maneira inequívoca que toda a pauta da oposição gira em torno das realizações do governo Dilma. Especialmente quando essas realizações são colocadas diante da ausência de propostas e da fragilidade da argumentação do candidato Aécio Neves. Durante quase duas horas, Dilma desfiou os números e as realizações de seu governo contra o candidato de oposição Aécio Neves, que não tinha como contestá-los. Além de mostrar tudo o que fez, Dilma ganhou nas comparações com os governos tucanos, seja quando trouxe para o debate as dificuldades do governo FHC ou ao desnudar a maquiagem do alardeado choque de gestão de Aécio Neves em Minas.  Veja abaixo os melhores momentos.

INFLAÇÃO E DESEMPREGO

Muitas vezes, o candidato adversário distanciou-se da realidade, como quando tentou comparar a inflação atual à de 15 anos atrás durante o governo FHC. E chegou a comparar o Brasil ao Chile para defender seu modelo de controle inflacionário.

"O senhor compara o Brasil a um país que eu respeito muito, que é o Chile, porque inclusive acolheu os exilados. Mas que é um país do tamanho do Rio Grande do Sul. O Brasil vai ter de ser comparado com os grandes países do mundo", disse Dilma, desmontando a criatividade argumentativa do adversário . "Por exemplo, a Alemanha, que hoje, como todos os países da Europa, passa por grandes dificuldades. Então, candidato, vamos devagar com a sua comparação". 

Aécio então voltou a apresentar a ideia de forçar a inflação ao patamar dos 3%, receita que causa arrocho e desemprego. Mas Dilma explicou que por que essa é uma proposta de retrocesso e ameaça aos trabalhadores.

"Estou estarrecida com o fato de que o senhor não sabe que nós temos uma das menores taxas de desemprego da história, 5%. O senhor pode se esforçar bastante, mas jamais vai conseguir tirar de nós esse fato", disse Dilma. "O cozinheiro é o mesmo, Armínio Fraga, a receita é a mesma, recessão, recessão, recessão, e o resultado é o mesmo, desemprego, arrocho salarial e altas taxas de juro. A quem serve isso? Ao povo brasileiro é que não é".

"Vocês sempre gostaram de plantar inflação para colher juros, esta sempre foi a sua política", encerrou Dilma.

BOLSA FAMÍLIA

Após perder a comparação de dados históricos e de argumentos de política econômica nos assuntos desemprego e inflação, Dilma questionou Aécio sobre a grande conquista de todos os brasileiros que foi, pela primeira vez na história, o país sair do Mapa da Fome da ONU. Aécio se recusou a sequer citar a conquista histórica, e partiu para a muleta de alegar que todas as conquistas se devem ao governo tucano realizado no século passado. Dilma, mais uma vez, confrontou a retórica eleitoreira com números reais.  

"O que vocês chamam de Bolsa Família, que vocês falam que é o bolsa escola, o gás, e outros, durante todo o governo Fernando Henrique Cardoso gastou, todos eles juntos, 4,2 bilhões de reais. Sabe quanto 4,2 bilhões de reais equivalem ao meu Bolsa Família, candidato? A dois meses. Vocês gastaram em oito anos o que nós gastamos em dois meses", explicou. 

SEGURANÇA PÚBLICA

Logo no começo do debate, Dilma falou sobre seu crescente compromisso no investimento em segurança pública. "Todo mundo sabe que o governo federal não tem a responsabilidade constitucional da segurança. Nós queremos ter esta responsabilidade", disse. Assista no vídeo abaixo:

COMBATE À IMPUNIDADE 

Dilma cobrou de Aécio uma postura transparente no combate à impunidade e à corrupção - exatamente como a dela, que sempre defendeu e promoveu investigações e punições, doa a quem doer. 

"Eu nunca impedi a investigação, candidato. Nunca impedi que falassem, que olhassem ou que verificassem o que estava acontecendo. Agora, vocês impediram. Sabe quantos vocês arquivaram? 217 investigações. 242 envolviam deputados, senadores e ministros", cobrou a presidenta.

SAÚDE

Na questão sobre saúde pública, Aécio saiu duplamente derrotado - por ter se posicionado contra grandes avanços brasileiros e por ser investigado por um desvio de mais de 7 bilhões de reais da saúde mineira. "Apesar de vocês terem derrubado a CPMF, e imposto ao governo federal uma perda de 260 bilhões de reais, nós aumentamos e muito o orçamento da saúde em relação ao seu período de governo", disse Dilma. "A partir daí, nós fizemos muitas atividades na área da saúde. Por exemplo, criamos o Samu que hoje atinge 150 milhões de pessoas. Esse Samu que o senhor só implantou em 28% do Estado de Minas. Criamos o Mais Médicos, que o senhor votou contra", disse Dilma.  

E Dilma questionou: "Vocês não cumpriram o mínimo constitucional na área da saúde. E desviaram 7 bilhões e 600 milhões de reais. Com que moral o senhor fala em saúde, eu não sei".  Veja no vídeo abaixo que tipo de gastos o governo Aécio declarava como de saúde. 

PETROBRAS


Dilma refutou de maneira veemente as tentativas de desvalorização da Petrobras, empresa que cresceu mais de 500% desde a era FHC. "A Petrobras atingiu um nível de produção de dois milhões e 300 mil barris dia. Isso é muito importante, sabe por que, candidato?  Porque isso significa que o valor da Petrobras, o senhor pode ficar descansado, é um valor crescente. Todos os que investiram na Petrobras vão ganhar muito dinheiro".  

E criticou as manipulações das críticas à empresa. " O senhor disse que pensava em algum momento em privatizar a Petrobras, mas que isso não estava ainda na pauta. Eu só fico pensando quando é que o senhor quer colocar na pauta. É denegrindo a Petrobras? É dizendo que a Petrobras perdeu valor? O que é isso, candidato, a Petrobras é a maior empresa desse país, e a força dela são seus trabalhadores, a sua capacidade de descobrir, o seu controle tecnológico".

PAC  

"O senhor tem que se informar melhor para conhecer melhor o Brasil. Nós concluímos a Ferrovia Norte e Sul. Nós entregamos as usinas de Santo Antônio e Jirau, agora parcialmente, mas todas estão em andamento. Fizemos a usina de Belo Monte, ela está em construção, inclusive o meu programa de televisão mostrou. A integração do São Francisco está em pleno vapor. O trem urbano de Porto Alegre foi concluído. O metrô do Rio, de Fortaleza, de Recife, de Salvador também. O Eixão das Águas, o Pólo Naval - eu achei estranhíssimo, o senhor é contra a política de conteúdo nacional e quer investir em Pólo Naval. Fizemos sim, candidato."

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais