Intelectuais e artistas lotam teatro em São Paulo em encontro com Dilma

Compartilhar

A presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição, participou de encontro com intelectuais, na noite desta segunda-feira (20), no Teatro da Universidade Católica de São Paulo (Tuca). Em seu discurso, a presidenta disse que os brasileiros são responsáveis por manter o Brasil no rumo certo.

“Não podemos deixar que volte o tipo de política que olha para o país de forma irresponsável. De hoje até dia 26, vamos virar cada voto, e vamos ganhar essas eleições nas urnas”, conclui Dilma.

Dilma comparou os projetos políticos que disputam o segundo turno das eleições presidenciais, e afirmou que o projeto adversário representa a política que quer manter o Brasil submisso a países desenvolvidos.

“Eles pensam o Brasil pequeno, sempre pensaram. Eles fazem a velha política de se atrelar aos grandes países. Querem entregar o Brasil. Querem voltar com a Alca (Área de Livre Comércio das América), não querem os Brics (bloco composto por Brasil, Rússia, Índia e China) e são capazes de menosprezar o Mercosul”, apontou Dilma Rousseff.

Dilma explicou que o projeto adversário “planta inflação para colher juros” e põe em risco a geração de emprego. “Eles inventaram o termo ‘empregabilidade’, como se tivesse gente mais ‘empregável’. Em 2002, eram 11,5 milhões de desempregados. O Brasil só perdia para a Índia em número de desempregados no mundo”.

Falta de planejamento e de investimentos
Dilma destacou ainda que São Paulo está sofrendo as consequências da falta de planejamento e de investimentos antecipados, algo que o Brasil viveu nos anos de governo do PSDB, com racionamentos de energia elétrica.

“Água é atribuição constitucional de Estados e Municípios. A energia elétrica é atribuição constitucional da União. Quando foram do governo, deixaram o País às escuras, porque fizeram privatizações malucas, não olharam para o interesse da população, só o de grupos econômicos. São gestões que não têm compromisso com a população”, afirmou a presidenta.

Manifestos em apoio à reeleição
Durante o evento, a presidenta recebeu rosas vermelhas e um manifesto dos artistas e intelectuais pedindo sua reeleição. O documento foi assinado por economistas, pesquisadores, profissionais da cultura e do cinema, psicólogos e geógrafos, além de profissionais da Unicamp e universidade do ABC.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, presente no evento, disse que a reeleição da presidenta Dilma Rousseff significa que o Brasil avançará muito mais do já avançou. “A gente quer comer bem, se vestir bem, fazer universidade, bolsa de estudo, curso técnico. Viemos para mudar a história deste País”, reforçou.

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, também participou do ato e destacou que o Governo Dilma consolidou as políticas públicas de fomento à cultura em todo o País. “Depois de ter conquistados três alimentos na mesa por dia, agora as pessoas querem o alimento para a alma. Por isso, a União criou mecanismos para passar para os estados e municípios o recurso para a Cultura, nada de pires na mão”, ressaltou;

O ex-presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Roberto Amaral, disse que representa os militantes de esquerda do PSB e vota em Dilma Rousseff por causa do amor. “O que nos une é o amor aos semelhantes, aos pobres que resistem à opressão do capital. É pelo amor à igualdade social”, afirmou.

Raquel Trindade, militante histórica do Partido dos Trabalhadores e do movimento negro, lembrou que foram os governos Lula e Dilma que ampliaram a presença dos afrodescendentes nas universidades brasileiras. “Temos que votar em Dilma porque agora o negro tem facilidade de acessar à universidade. Negro consciente vota Dilma para presidente”, bradou.

Fonte: Equipe Dilma13

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais