Governo federal vai mapear ódio na internet

Compartilhar

O governo federal encampou uma importante batalha contra os crimes de ódio cometidos na internet. Em anúncio feito na segunda-feira (15), a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) informou que irá utilizar um software para mapear e identificar pessoas e grupos responsáveis por ofensas criminosas, incitação à violência ou apologia ao crime.

A ferramenta foi desenvolvida pelo Laboratório de Estudos em Imagem e Cibercultura (Labic), da Universidade Federal do Espírito Santo, e dará subsídio para o Grupo de Trabalho Contra Redes de Ódio na Internet, criado em novembro. O aplicativo monitora, em tempo real, mensagens publicadas em redes como Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e Flickr.

Segundo dados da SaferNet Brasil, organização não governamental de coleta de denúncias contra os Direitos Humanos na rede, houve aumento de até 600% em crimes cibernéticos de 2013 para 2014.

A força-tarefa é formada por representantes de diferentes ministérios e da Polícia Federal. Terá por objetivo identificar publicações passíveis de processo de apuração, responsabilização e punição, e encaminhar para que as autoridades competentes possam tomar as devidas providências.

Serão monitoradas, principalmente, redes que propagam, incentivam ou fazem apologia a atos criminosos. “O grupo de trabalho vai fazer o acompanhamento desse movimento nas redes sociais com o uso dessa ferramenta que rastreia e identifica a origem das mensagens criminosa”, explica a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Ideli Salvatti.

Segundo a ministra, é preciso coibir e punir os atos de violência na internet, antes que possam produzir reflexos. “Não é apenas opinião, como alguns argumentam. É crime, em primeiro lugar, tanto no mundo real, quanto no virtual”, afirma.

Salvatti lembrou o caso recente de uma mulher covardemente agredida e morta por vizinhos da cidade do Guarujá, em São Paulo, após ser acusada injustamente por boato nas redes sociais de sequestrar e praticar rituais de magia negra com crianças. “Foi algo que circulou pela rede, criou um clima de ódio, incentivou tamanha violência e uma vida foi perdida”, atenta.

“Essa é uma prova muito clara que o virtual e o real, acabam se encontrando e se concretizando”, alerta a ministra.

Punição – Com base nas informações coletadas, o grupo de trabalho encaminhará denúncias ao Ministério Público ou à Polícia Federal, para as devidas providencias, seja a abertura do processo crime ou simples retirada da rede desse tipo de manifestação.

A ministra aponta, no entanto, brechas na legislação brasileira que impedem a devida punição de diversos crimes virtuais. “Nós temos uma legislação que necessita de atualização. E uma das tarefas desse grupo será apresentar propostas para que o Legislativo aprimore o código vigente em razão da dinâmica dos crimes cibernéticos, que não é acompanhada pelas leis do país”, pontua.

Nesta semana ocorreu a primeira reunião do Grupo de Trabalho Contra Redes de Ódio na Internet, com a apresentação de três casos identificado pelo software. São crimes que envolvem incitação de violência contra mulheres, um caso de racismo e outro de apologia ao nazismo, tratados em sigilo até que sejam encaminhados às autoridades competentes. Segundo a ministra, a previsão é que as denúncias sejam enviadas à Polícia Federal nos próximos dias.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais