Brasil gerou, em 4 anos, 5,2 milhões de empregos

Compartilhar

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) aponta que, em 4 anos, o Brasil bateu a marca de 5.277.071 de novos empregos com carteira assinada. Isso representa um aumento de 11,97% entre 2009 e 2014.

“O Brasil vive o pleno emprego, com regiões onde a taxa de desemprego está abaixo dos 3%, caso do Rio de Janeiro e de Santa Catarina. Em 2015, como os prognósticos da economia são mais positivos que em 2014, acreditamos que vamos continuar gerando empregos”, destacou o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias.

Em 2014, as vagas formais aumentaram 1%, com o acréscimo de 396.993 mil novos trabalhadores empregados. O Brasil tinha, até 2013, 41,053 milhões de trabalhadores empregados, conforme informou o Caged.

“Nesse mesmo período, de 2008 até agora, o Brasil gerou mais de 10,5 milhões de postos de trabalho”, acrescentou o ministro comparando com outros países que ainda não se recuperaram após a crise internacional.

Os estados mais geradores de emprego em 2014 foram Santa Catarina, Rio de Janeiro e Ceará. Na amostra por região, Sudeste lidera a lista, seguido pelo Sul, Nordeste, Centro Oeste e Norte.

Valorizadas – O salário de admissão, em 2014, teve aumento real de 0,92% se considerados os valores médios e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), analisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O melhor reajuste foi contemplado pelas mulheres, com aumento de 1,39% (R$ 1075,52 inicial), contra 0,84% dos homens (R$ 1247,89 inicial). O percentual indica um representativo avanço, uma vez que ainda há discriminação contra as mulheres. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostrou que elas receberam, em média, 73,7% do salário dos homens no ano anterior.

Baixa – Alguns setores, no entanto, não tiveram desempenho satisfatório. A indústria, por exemplo, teve um défict de 171 mil posto de trabalho; a construção civil, menos 132 mil; e serviços, menos 148 mil.
São Paulo lidera a lista com maior volume de demissões. Minas Gerais e Paraná vem logo atrás. Os resultados, entretanto, foram influenciados por questões sazonais, como a conclusão de obras.

Fonte: Agência PT

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais