Dilma: Na democracia, nós respeitamos as urnas e as ruas

Compartilhar

A presidenta Dilma Rousseff disse que é obrigação do governo dialogar, com humildade, com as demandas dos manifestantes que tomaram as ruas na sexta-feira (13) e no domingo (15). Para Dilma, é preciso respeito ao resultados das urnas e ouvir com atenção as vozes das ruas.

“Na democracia, nós respeitamos as urnas, que traduzem a vontade da maioria; as ruas, um dos espaços de manifestação popular sem violência, e ouvimos com atenção todas as vozes. Por isso, o governo sempre irá dialogar com as mensagens da rua”, afirmou.

“O que aconteceu ontem nas ruas é obrigação de qualquer governo ouvir. É algo legítimo. O governo tem obrigação de abrir o diálogo, com uma postura humilde”, completou.

Antes, em pronunciamento durante a cerimônia de sanção do Novo Código de Processo Civil, nesta segunda-feira (16), Dilma declarou ter valido a pena lutar pela democracia ao lembrar de sua atuação na luta contra a ditadura militar.

“Ao ver centenas de milhares de cidadãos se manifestando, não pude deixar de pensar que valeu a pena lutar pela liberdade, pela democracia. Este País está mais forte que nunca”, declarou a presidenta sobre os protestos que aconteceram em diversas cidades do país.

Dilma disse ainda que governa para todos os brasileiros, “sejam os que me elegeram, sejam os que não votaram em mim, os que participam das manifestações e os que não participaram”.

Ao comentar as manifestações pelo impeachment ou a favor da intervenção militar, a presidenta pediu responsabilidade. “Não quero consenso, mas tem de haver responsabilidade quando se trata de Constituição”, declarou.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais