Mais de 75 mil pessoas vão às ruas contra o PL 4330

Compartilhar

 

Milhares de trabalhadores saíram às ruas na quarta-feira (16) em mais de 50 cidades e em pelo menos 23 estados, além do Distrito Federal, contra o Projeto de Lei 4330, que regulamenta a terceirização. Somadas as estimativas dos organizadores dos atos nas regiões, mais de 75 mil pessoas participaram das mobilizações.

As manifestações foram registradas no Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande de Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Para o líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), as mobilizações foram decisivas para o adiamento da votação dos destaques ao Projeto de Lei 4330, que dispõe, entre outros pontos, sobre a terceirização da atividade fim de empresas. Para o deputado, o Plenário não quer votar às “escuras” uma matéria de tamanha complexidade.

“Fruto dos movimentos nas ruas, o requerimento de adiamento foi acolhido pela Câmara”, destaca Guimarães.

Segundo Guimarães, além da pressão das ruas, o adiamento foi fruto do acolhimento de uma proposta apresentada pelo PT para que a discussão sobre o PL 4330 seja feita entre os empresários, o governo, as centrais sindicais e o Congresso Nacional.

“É uma matéria que afeta milhões de trabalhadores e a economia nacional. Não pode ser votada às pressas”, lembra Guimarães.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) defende que a voz das ruas se fez sentir no Plenário. Segundo ela, o trabalhador mostrou que tem força em torno de uma causa.

No entanto, para Maria do Rosário, é preciso que a mobilização continue para derrotar o projeto, tanto na Câmara quanto no Senado. Ela também defendeu mobilização pública para apoiar a Presidenta Dilma Rousseff a vetar o texto, caso seja aprovado no Congresso.

“O texto cria situações de semiescravidão. O PT, em todas as fases desse processo esteve e estará ao lado da CUT e dos trabalhadores”, destaca Rosário.

Em declaração coletiva na quarta-feira, o presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, afirmou que o PL 4330 não pretende regularizar e proteger 12 milhões de trabalhares, mas colocar 35 milhões de trabalhadores em situação precária de terceirizados.

Em postagem no Facebook, Freitas parabenizou os militantes pela mobilização. “Parabéns a todos que foram às ruas de todo o Brasil e aos que trabalharam arduamente para o sucesso dos nossos atos em todas as capitais, no DF e nas cidades do interior do País. Não dá para esquecer que nós fizemos tudo isso que o Brasil viu hoje em apenas uma semana”, disse.

“A militância nas ruas, explicando para o povo que o 4330 é o projeto da escravidão, dizendo quem são os deputados a favor do desmonte da CLT, sensibiliza, principalmente quem quer se reeleger nas próximas eleições”, escreveu Freitas.

Fonte: Agência PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais