Pressão popular nas ruas e redes sociais repercute no Congresso

Compartilhar

As mobilizações de quarta-feira (15) foram decisivas para o adiamento da votação dos destaques ao Projeto de Lei 4330, que dispõe, entre outros pontos, sobre a terceirização da atividade fim de empresas.  É o que defende o líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE). Para ele, o Plenário não quer votar às escuras matérias de tamanha complexidade e grandes mobilizações sociais, como a paralisação nacional promovida pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), ampliam a repercussão da vontade popular no Parlamento.

 “Fruto dos movimentos nas ruas, o requerimento de adiamento foi acolhido pela Câmara”, destacou Guimarães, em relação ao PL da Terceirização.

 O líder afirma que o adiamento foi fruto do acolhimento de uma proposta apresentada pelo PT para que a discussão sobre o PL 4330 seja feita entre os empresários, o governo, as centrais sindicais e o Congresso Nacional.

 “É uma matéria que afeta milhões de trabalhadores e a economia nacional. Não pode ser votada às pressas”, lembrou Guimarães.

 Para a deputada Maria do Rosário (PT-RS), a voz das ruas se fez sentir no Plenário. Segundo ela, o trabalhador mostrou que tem força em torno de uma causa, mas que a mobilização deve continuar para derrotar o projeto, tanto na Câmara quanto no Senado, bem como para apoiar a Presidenta Dilma Rousseff a vetá-lo, caso seja aprovado no Congresso.

 “O texto cria situações de semiescravidão. O PT, em todas as fases desse processo esteve e estará ao lado da CUT e dos trabalhadores”, destacou Rosário.

O presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, afirmou que o PL 4330 não pretende regularizar e proteger 12 milhões de trabalhares, mas colocar 35 milhões de trabalhadores em situação precária de terceirizados, afirmou durante a mobilização.

 Na manhã desta quinta-feira, Freitas postou mensagem informando que o PSDB vai liberar seus 52 deputados federais para votarem como quiserem o PL 4330. De acordo com o dirigente, o argumento deles é que estudaram melhor e tema e são sensíveis às pressões das redes sociais.

 “A militância nas ruas, explicando para o povo que o 4330 é o projeto da escravidão, dizendo quem são os deputados a favor do desmonte da CLT, sensibiliza, principalmente quem quer se reeleger nas próximas eleições”, escreveu Freitas.

 Faltavam poucos minutos para as 18:00h quando deu-se início à sessão para discussão e votação dos destaques apresentado ao PL 4330. O deputado Rogério Rosso (PSD-DF) apresentou um requerimento pedindo a retirada do projeto da pauta e ampliação do prazo para debates, antes da votação.

Fonte: Agência PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais