PT cobra investigação sobre massacre no Paraná

Compartilhar

 

Após o massacre contra professores do Paraná e outras categorias do serviço público do estado, o Partido dos Trabalhadores cobrou que sejam investigadas as responsabilidades do governador Beto Richa (PSDB) em relação ao caso. Ao todo, mais de 200 pessoas ficaram feridas, sendo 15 em estado grave, segundo informações da Prefeitura de Curitiba.

Em nota, o PT no Paraná também exige investigação sobre as responsabilidades do Secretário de Segurança Pública do Paraná, Fernando Francisquini, do Comando da Polícia Militar e do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano (PSDB), no massacre.

Os servidores protestaram, na quarta-feira (29), em frente à Assembleia Legislativa contra a votação do Projeto de Lei 252/2015, de Richa. Apesar do massacre, o texto foi aprovado e autoriza o governo a mexer no fundo de previdência dos servidores públicos do estado, a ParanáPrevidência.

“O Paraná não pode aceitar que professores e servidores sejam tratados com absoluta truculência pela Polícia Militar, com uso indiscriminado de balas de borracha, gás lacrimogêneo, bombas de efeito moral, spray de pimenta, cachorros e cassetetes”, diz o PT, em nota assinada pelo presidente da legenda no estado, Enio Verri.

“É preciso apurar de onde partiu a ordem para a ação truculenta da PM e punir os responsáveis”, completa o partido.

Leia a nota na íntegra:
“NOTA OFICIAL DA PRESIDÊNCIA DO PT-PR

O Partido dos Trabalhadores do Paraná exige que sejam investigadas as responsabilidades do governador Beto Richa (PSDB), do Secretário de Segurança Pública do Paraná Fernando Francisquini, do Comando da Polícia Militar, e do presidente da Assembleia Legislativa deputado Ademar Traiano (PSDB), no massacre que deixou mais de 200 professores e servidores estaduais feridos nesta quarta-feira (29) em Curitiba.

O Paraná não pode aceitar que professores e servidores sejam tratados com absoluta truculência pela Polícia Militar, com uso indiscriminado de balas de borracha, gás lacrimogêneo, bombas de efeito moral, spray de pimenta, cachorros e cassetetes. É preciso apurar de onde partiu a ordem para a ação truculenta da PM e punir os responsáveis.

O massacre contra os professores e servidores protagonizado pelo governo do PSDB mancha de sangue a história política do Paraná. O PT-PR manifesta solidariedade aos educadores que se levantaram contra o autoritarismo, insanidade e tirania do governo Beto Richa e reitera seu apoio incondicional à luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Estado.

Curitiba, 30 de abril de 2015.

Enio Verri

Presidente Estadual do PT”

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais