Lula: Não podemos medir o governo Dilma por 5 meses

Compartilhar

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou, nesta quinta-feira (7), durante encontro com piscicultores do Acre, que a presidenta Dilma Rousseff vai fazer tudo o que prometeu na campanha e que o controle nos gastos do governo é uma medida necessária para o momento atual do país.

Lula disse ainda que a gestão da presidenta Dilma tem longo caminho a seguir. “A gente não pode medir o governo da companheira Dilma por cinco meses de governo”, declarou, durante o 3º Encontro de Piscicultores do Acre, em Rio Branco, ao lado do governador do estado, Tião Viana, e do presidente da Bolívia, Evo Morales.

“A gente sabe da onde ela veio, sabe o compromisso dela e tem convicção de que a Dilma vai fazer tudo aquilo que prometeu durante a campanha”, completou o ex-presidente.

Para o ex-presidente, o Brasil “não estar vivendo o seu melhor momento”, porque a presidenta Dilma precisou fazer importantes investimentos para manter os empregos e chegar em dezembro de 2014 com o menor índice de desemprego da história. “E uma hora teve que parar porque o dinheiro encurtou”, justificou.

“Quando a gente fala em ajuste fiscal, todo mundo se assusta, mas toda dona de casa faz ajuste fiscal, quando vê que o cofrinho tá vazio”, ressaltou o ex-presidente.

A mensagem da oposição de que o PT ficou fragilizado com a aprovação da medida provisória 665, que alterou o acesso a benefícios como o seguro-desemprego, foi rebatida por Lula. “Tem gente já achando que o governo acabou”, protestou, reforçando que Dilma “tem compromisso com o povo trabalhador desse País”, disse.

Sobre os ataques que a grande mídia tem feito ao partido, Lula defendeu a postura do PT em acordar expulsão dos filiados condenados em atos de corrupção. O anúncio foi feito pelo presidente do partido Rui Falcão, durante propaganda eleitoral em rede nacional, na última terça-feira (5).

“O PT, como é composto de seres humanos, também comete erros”, disse Lula. “E quem cometer erro, tem que pagar pelo erro que cometeu. O que a gente não pode é deixar de reconhecer que este é o partido mais importante da América Latina”, analisou.

Fonte: Agência PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais