PT repudia manobra para garantir financiamento empresarial na reforma política

Compartilhar

 

Com uma manobra regimental, o plenário da Câmara aprovou, na noite de quarta-feira (27), com o voto contrário da Bancada do PT, a possibilidade de uso de capital privado em campanhas eleitorais. O tema já havia sido rejeitado pelos deputados no dia anterior, mas uma emenda apresentada na quarta permitiu voltar a um assunto derrotado.

“A Bancada do PT não reconhece a legitimidade desta votação, pois esta proposta violenta a democracia e torna os candidatos reféns das legendas quando permite que partidos, e não candidatos, recebam doações de empresas nas eleições. Além disso, denunciamos que esta votação ressuscita a possibilidade do financiamento empresarial nas campanhas eleitorais que a Câmara já havia se posicionado contra”, declarou o deputado Alessandro Molon (PT-RJ), vice-líder do PT na Câmara.

Molon lembrou que o plenário havia rejeitado o financiamento de empresas e “uma votação por conveniência” trouxe novamente o tema à votação.

“Esta Casa não pode votar de acordo com a conveniência, não é assim o jogo democrático. Os defensores do financiamento empresarial perderam a primeira votação e numa manobra regimental ressuscitaram o tema”, protestou o petista.

O líder do PT na Câmara, deputado Sibá Machado (AC), reiterou a posição da bancada petista de ser “totalmente contra” o retorno do debate sobre o financiamento empresarial.

“Queremos deixar claro que este tema já era matéria vencida quando a Casa rejeitou na primeira votação. E não podemos concordar com esta manobra para a volta do tema”, afirmou Sibá.

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP) também criticou a reintrodução do uso do capital empresarial no texto da reforma política.

“A Câmara manifestou sua posição contrária a este tema e agora o que foi aprovado é uma total confusão com mistura de doações de empresas e pessoas físicas para partidos e candidatos. Inclusive, a emenda não faz distinção entre candidatos que participam de eleição majoritária ou proporcional. Então esta proposta apenas vai criar mais problemas”, ressaltou.

Outros temas  – Os deputados apreciaram ainda, na sessão desta quarta-feira, outro tema da reforma política e aprovaram o fim da reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. Com o voto unificado da Bancada do PT, na terça-feira (26), o plenário já derrotou a proposta do chamado “distritão” e manteve o atual sistema da proporcionalidade partidária.

O plenário prossegue nesta quinta-feira (28) a apreciação de outros itens da Reforma Política.

Fonte:  Agência PT de Notícias, com informações de Gizele Benitz, do PT na Câmara

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais