Militância do PT foi a grande vitoriosa do congresso, avalia Rui Falcão

Compartilhar

O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, avaliou, em entrevista coletiva neste sábado (13), que a militância da legenda foi a “grande vitoriosa” no 5º Congresso Nacional da sigla.

“A grande vitoriosa foi a militância do PT, pois pôde debater, externas as ideias e, como sempre, prevalece a vontade da maioria. Então, a grande vitoriosa é a militância do PT e a população brasileira, que confia no PT”, afirmou.

De acordo com Rui Falcão, foram apresentadas dezenas de emendas à resolução da segunda etapa do 5º Congresso Nacional do PT. Ele informou que algumas dessas emendas foram flexibilizadas, como as que falavam sobre a política econômica. Também houve a manutenção do Processo de Eleição Direta Extraordinário (PED) e o Diretório Nacional tem 90 dias para realizar um seminário que debaterá a reformulação dentro deste quesito.

O presidente do PT ainda informou que a decisão anterior sobre o financiamento empresarial de campanhas foi mantida, mas será remetida novamente ao Diretório Nacional. A legenda continuará a não receber recursos de empresas privadas.

“Nós estamos mantendo a decisão de não receber recursos empresariais, renovamos a intenção de manter a discussão que ainda é inconclusa”, informou.

Além disso, conforme defendido pelo secretário de Finanças do PT, Márcio Macedo, os diretórios estaduais e/ou municipais estão autorizados, de acordo com a lei, a receber recursos de empresas privadas para pagar dívidas pretéritas de campanhas. “Nós não estamos retrocedendo ao que foi aprovado”, concluiu.

Durante a coletiva, Falcão voltou a sair em defesa do ex-secretário de Finanças do PT, João Vaccari Neto. “O Vaccari não é culpado, está sendo preso injustamente e há uma tentativa de criminalizar o PT”, criticou.

Ao ser questionado sobre a relação com o PMDB, partido que faz parte da base aliada, Rui Falcão disse ser “evidente” haver contradições”. No entanto, ele reforçou que não há nenhuma intenção de romper alianças no Congresso Nacional com os parceiros que integram a coligação.

“Eu não estou fazendo juízo de valor de nenhum partido e nem de nenhuma liderança partidária”, esclareceu Rui.

Além disso, o presidente do PT voltou a defender a volta da CPMF, que foi retirada do texto base, e uma mudança na política tributária mantida pelo Brasil. A Carta de Salvador, a texto guia do 5º Congresso, manteve o imposto sobre grandes fortunas e sobre grandes heranças.

“As pessoas têm medo de falar de imposto. Eu prefiro fazer o debate, mas foi a decisão da maioria”, afirmou.

Falcão ressaltou que os debates promovidos pelo 5º Congresso Nacional foram abertos à imprensa e à militância, que puderam acompanhar pela internet.

“É uma postura que a gente vem defendendo, é melhor do que ouvirem versões nem sempre fidedignas”, explicou.

“Foi um congresso democrático, que foi precedido por centenas de encontros regionais, essas contribuições serão todas processadas no Diretório Nacional”, completou.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais