País retrocede e age com revanchismo com redução da maioridade, dizem jovens petistas

Compartilhar

 

Um dia depois da comissão especial da Câmara aprovar a Proposta da Emenda à Constituição (PEC 171/93), jovens petistas repudiaram a medida que prevê a redução da maioridade penal. Para eles, a aprovação representa um risco e retrocesso para a juventude brasileira, e suscitam que interesses políticos podem estar sendo ocultados no caso.

A votação da PEC deverá ir à plenário até o fim deste mês, em primeiro turno. O texto, aprovado na quarta-feira (17), prevê a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos de idade, para crimes hediondos, homicídio doloso, roubo qualificado e lesão corporal grave seguida de morte.

O Secretario Nacional da Juventude PT, Jefferson Lima, repudia a PEC  e suspeita da pressão dos parlamentares que cobram a redução da maioridade penal. Para Lima, existem vários “interesses escusos” por trás da aprovação da medida.

“Não duvido que há políticos que querem fomentar lucros com a privatização de presídios, há também aqueles que querem atacar o PT. Eles pretendem deixar essa mácula para o partido, certamente há algo errado por trás desse retrocesso”, analisa.

Jefferson Lima garante que até o dia 30, quando a proposta deve seguir para votação em primeiro turno, será feito um trabalho de grande mobilização para conscientizar os parlamentares sobre os riscos da redução da maioridade penal. “Vamos mobilizar toda a sociedade por meio das redes sociais, indo aos gabinetes para conversar com os parlamentares. Não podemos permitir que presídios privados possam lucrar com essa injustiça social”, declara. 

Papel da mídia - Na avaliação do secretário adjunto da Juventude PT de Belo Horizonte (MG), Dimitri Chaves, os parlamentares estão penalizando os jovens e  a sociedade está permitindo que isso aconteça, porque está sendo manipulada pela grande mídia. 

“A mídia monopolista apresentou notícias criticando os jovens que estão na criminalidade, mas não mostrou o outro lado, ou seja, quem são esses jovens esquecidos. A versão dos fatos foi manipulada. O debate foi precário. A redução não vai acabar com a violência. Temos que discutir políticas públicas aos jovens, é preciso garantir investimentos à juventude. O resultado dessa aprovação é um absurdo !”, desabafa. 

Outro jovem petista que faz críticas a proposta que reduz a maioridade de 18 para 16, é Igor Santos, da Juventude PT de Santo André (SP). Ele é historiador e destaca que os jovens negros e pobres serão os mais prejudicados com a medida. “Estou convicto que a redução da maioridade penal não vai atingir os jovens ricos. Essa bancada conservadora que está no Congresso Nacional quer excluir os jovens negros e pobres. Os setores marginalizados serão penalizados”, disse. 

Santos aproveitou para ressaltar que a gestão PT ampliou o acesso de jovens nos setores da educação e trabalho, mas que ainda é preciso avançar nas políticas públicas para evitar que a juventude tenha a possibilidade de se enveredar para o crime. Para ele, construir unidades socioeducativas ao invés de investir em educação é um retrocesso. 

“Quem defende a redução não pensa em educação e oportunidade de trabalho. Em São Paulo por exemplo, a gestão tucana priorizou a construção de presídios ao invés de ampliar a formação acadêmica”, avalia.

O jovem petista se refere ao PSDB que em 20 anos à frente do governo paulista construiu 53 penitenciárias e nenhuma universidade.

Durante os 12 anos de gestão PT, foram criados diversos programas voltados para a capacitação de jovens, também foram fomentadas ações para o trabalho, como o Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego (PNPE), o ProJovem Trabalhador, o Aprendiz Legal. Na área educacional incentivos como o Pronatec e a Lei de Estágio também possibilitaram o ingresso ao mercado de trabalho. 

Igor Santos, fez uma analise das conquistas promovidas pelo governo PT e não descarta que a redução da maioridade penal defendida pelos opositores seja uma forma de penalizar os jovens em detrimento das vitorias da juventude brasileira. 

“Me parece um revanchismo. As cotas incomodam. Oferecer educação e ter jovens atuantes politicamente fere os interesses dos políticos que gostam de manter os outros sob controle. Então eles querem atacar os jovens negros e pobres que são afetados pela desigualdade e pouca oportunidade. Se a PEC for aprovada, será dada a sentença de morte da juventude negra e da periferia”, declara.

Fonte: Michelle Chiappa, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais