Dilma defende investigação, mas diz que “não respeita” delator

Compartilhar

 

A presidenta Dilma Rousseff defendeu nesta segunda-feira (29) a legalidade das doações recebidas pela empreiteira UTC para a campanha eleitoral de 2014. Em entrevista coletiva realizada em Nova York, nos Estados Unidos, onde participa de evento com investidores, a petista disse não respeitar delatores.

“Eu não aceito e jamais aceitarei que insinuem sobre mim ou a minha campanha qualquer irregularidade”, declarou.

A fala da presidenta aconteceu em resposta às declarações do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, feitas em delação premiada, no âmbito da Operação Lava Jato. O delator, preso em novembro do ano passado, disse que o recurso doado para a campanha era fruto de esquema de corrupção na Petrobras.

Dilma comparou a delação de Pessoa com as informações repassadas sob pressão durante a ditadura militar, sobre companheiros combatentes. “Eu não respeito delator. Até porque eu estive presa na ditadura e sei o que é. Tentaram me transformar em uma delatora; a ditadura fazia isso com as pessoas presas. E eu garanto para vocês que eu resisti bravamente, até em alguns momentos fui mal interpretada”, recordou.

A presidenta defendeu que “tudo, sem exceção” seja investigado pelo Ministério Público e a Polícia Federal, no âmbito da Lava Jato, inclusive as denúncias da delação.

Segundo Dilma, os R$ 7,5 milhões doados da UTC para sua campanha foram registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e realizados de maneira legal. A presidenta ressaltou que na época da campanha outros candidatos também receberam dinheiro da empreiteira. O senador Aécio Neves (PSDB), candidato derrotado à Presidência, por exemplo, recebeu R$ 8,7 milhões.

“O candidato que concorreu comigo recebeu também, com uma diferença muito pequena de valores. Eu estou falando do Aécio Neves”, disse.

Fonte:  Michelle Chiappa, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais