Presidenta Dilma é super-heroína, declara jornalista de TV russa

Compartilhar

 

A presidenta Dilma Rousseff foi chamada de presidenta ídolo e super-heroína pela jornalista da emissora de TV Russia Today, María Rodríguez Abalde, durante entrevista exclusiva realizada na quinta-feira (9), durante a participação da presidenta na VII Cúpula dos Brics, em Ufa, na Rússia.

No encontro, Dilma falou sobre as decisões estratégicas para o bloco tomadas durante a cúpula, sobre as economias brasileiras e mundial, sobre as sanções impostas à Rússia e sobre as ameaças de golpe da oposição.

A presidenta lembrou que as gestões petistas tiraram 50 milhões de brasileiros da pobreza para a classe média e que o país possui hoje US$ 378 bilhões em reservas. “Somos um país sólido, do ponto de vista macroeconômico. Nós não temos bolha, nosso sistema bancário é absolutamente robusto. Não há razões para que o Brasil não volte a crescer”, defendeu.

Dilma avaliou que o pior momento da crise passou. “Estamos, há seis anos, impedindo que a crise afete o emprego e a renda do povo brasileiro”, ressaltou.

Questionada sobre a possibilidade de um golpe da direita orquestrado com apoio dos Estados Unidos, Dilma foi categórica. “Acho essa teoria conspiratória. Não é preciso nenhum país para que alguns segmentos de alguns países sejam golpistas. Eles são golpistas por si mesmos”.

A presidenta classificou a cúpula como um marco nas relações entre os países (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). “Conseguimos concretizar a formação do Banco dos Brics, nomear toda a sua estrutura de governança, inclusive já indicamos o presidente e os vices”.

O banco fomentará investimentos nos países do bloco e, posteriormente, pode vir a beneficiar outras nações em desenvolvimento. Ela citou também o Acordo Contingente de Reservas, que dará suporte aos países em eventuais crises financeiras, assinado por representantes dos bancos centrais das nações.

Entre os projetos em estudo de viabilização pelo banco está a construção da Ferrovia Bioceânica, que liga o Atlântico ao Pacífico, começando no Brasil e seguindo até o Peru. “Esse seria um dos grandes projetos que pretendemos que seja viabilizado. A Ferrovia beneficia tanto a China quanto o Brasil e, obviamente, o Peru”.

Dilma se posicionou contra as sanções impostas à Rússia por causa do conflito com a Ucrânia. “Nós não acreditamos que a sanção seja uma solução, em qualquer hipótese. Pelo contrário, a sanção geralmente, ao invés de punir só os governos, pune a população, e isso é inconcebível”, destacou.

Sobre a possibilidade de outros países ingressarem no bloco, a presidenta declarou que todos são a favor da ampliação, mas que a questão não foi discutida a fundo.

A presidenta relacionou sua queda de popularidade aos efeitos da atual situação econômica e afirmou ter certeza de que a situação vai melhorar. “O que importa é, sem sombra de dúvida, que nós estamos trabalhando duro para tirar o Brasil dessa situação de crise. É isso que vamos ter como foco principal”, explicou.

Acesse a entrevista na íntegra.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais