Com cobertura tendenciosa, mídia não deu trégua à Dilma no segundo mandato

Compartilhar

 

O segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff completa 200 dias neste domingo (19), marcado por um período de importantes anúncios, medidas e programas lançados para dar continuidade aos avanços dos 13 anos de gestões do PT. A movimentação, no entanto, não ganhou o devido espaço na grande imprensa brasileira.

Para o coordenador do projeto “Manchetômetro”, João Feres Júnior, há uma escalada da abordagem negativa dos veículos de comunicação sobre o governo, sobre a presidenta Dilma Rousseff e o PT.

Concessoes Epoca“Analisamos a cobertura tanto da presidenta como do governo federal. E em todos esses itens temos notado uma piora nesta cobertura. A mídia abordou temáticas como políticas públicas, escândalos de corrupção e cenário econômico sistematicamente jogando a culpa em cima do governo e do PT”, afirmaFeres.

O “Manchetômetro”, site de acompanhamento diário da cobertura da política e da economia na grande mídia, é produzido pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

De acordo com o pesquisador do laboratório LEMEP, atualmente a cobertura da mídia em relação às pautas do governo e da presidenta está mais negativa que na época da eleição, quando  já apresentava uma abordagem tendenciosa.

manchetometro 1

(Clique na imagem para abrir) Comparativo da cobertura midiática sobre os três principais candidatos à Presidência e da cobertura da Dilma, o governo e do PT

Manchetometro 2

(Clique na imagem para abrir) O índice criado pelo Manchetômetro aponta a tendência média da cobertura no período

Narrativa dominante – Para o professor aposentado da Universidade de Brasília (UnB) e pós-doutor pela Universidade de Illinois nos Estados Unidos, Venício Artur de Lima, não existe pluralidade e diversidade na mídia brasileira.

Concessoes folhaO pesquisador afirma que a grande mídia tem praticado de forma homogênea a mesma pauta, com a mesma linguagem pública, mesmo enquadramento, seletividade e omissão em relação aos fatos a serem noticiados. “Tudo sem o contraditório, sem vozes alternativas”, ressalta.

“É preciso construir uma narrativa alternativa de contraposição à dominante. Quando você lê a grande mídia, parece que todos os veículos têm o mesmo editor, porque ela fala a mesma linguagem e não se encontra, salvo pequenas exceções, uma narrativa pública alternativa que se contraponha a isso”, destaca.

Venício de Lima explica que a falta de pluralidade e a cobertura enviesada pelos meios de comunicação geram uma população desinformada e uma opinião pública corrompida.

“O pressuposto liberal básico para uma opinião pública independente é que ela tenha uma informação equilibrada, imparcial para fazer o livre confronto de ideias do debate público”, afirma.

Na avaliação dele, não há hoje no Brasil um livre confronto de ideias. “Se o acesso ao debate público é controlado por poucos grupos de forma seletiva, parcial, partidarizada, o que você tem lá na frente é uma opinião pública corrompida”, ressalta.

Concessoes estadaoJoão Feres corrobora com a afirmação. “Tem estudos que mostram que as pessoas não recebem as notícias de uma maneira passiva. Elas conseguem reagir à notícia, só que elas reagem com elementos que elas têm e o problema é que elas não recebem nenhum outro elemento a não ser os negativos”, comenta.

Para o pesquisador, as pessoas que não têm contato com as políticas sociais do governo só tem a grande mídia para se informar. “Obviamente que isso faz com que elas comecem cada vez mais a achar que o governo é uma porcaria, vaiar a Dilma, esse tipo de coisa”, analisa.

“No longo prazo, a linguagem do ódio e da intolerância que está hoje absolutamente difundida no País, isso com toda certeza, do meu ponto de vista, resulta dentre outros fatores, talvez um dos fatores mais importantes, dessa cobertura enviesada que a grande mídia tem feito”, destaca Venício de Lima.

O professor aposentado da Unb relaciona a cobertura ao fato de grupos econômicos poderosos que controlam as grandes empresas de mídia terem interesses que vão além do seu papel de informar.

“Esses grupos são atores econômicos e políticos. Eles defendem seus interesses e posições políticas e os interesses de seus aliados, sobretudo os aliados no Congresso Nacional, que garantem a permanência da histórica presença desses grupos como concessionárias de emissoras de rádio e televisão, praticamente sem nenhum limite de regulação, sem nenhum limite de propriedade cruzada”, ressalta.

Venício Lima e João Feres concordam que faltou aos governos do PT ações para apoiar a construção de narrativas alternativas.

“O apoio à mídia pública seria uma opção. Num País como o nosso, que naturalizou o sistema privado, é uma alternativa de longo prazo, mas certamente importante para se criar um equilíbrio entre os diferentes sistemas de mídia, o público, o privado e o estatal, como está previsto no artigo 223 da Constituição”, finaliza Venício Lima.

Fonte: Cristina Sena e Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais