Estatuto da Igualdade Racial completa cinco anos com o compromisso de superar o racismo

Compartilhar

 

O Estatuto da Igualdade Racial completa cinco anos nesta segunda-feira (20). A lei 12.288/10 representa um compromisso governamental de equiparar direitos e superar o racismo. O estatuto abrange diversas áreas como cultura, esporte, saúde, acesso a moradia, além de direito de liberdade de consciência, de crença, de cultos religiosos, de trabalho, dos meios de comunicação.

Criada com base no estatuto, a lei instituiu 20% de cotas para negros no serviço público federal e nas universidades públicas. Os negros somam 53% da população brasileira, mas somente 30% no funcionalismo público. No ensino superior, apenas 26 em cada 100 alunos dos são negros.

Para o secretário Nacional de Combate ao Racismo do Partido dos Trabalhadores, Nelson Padilha, as leis e o estatuto são formas de corrigir distorções existentes na sociedade.

“É um marco em nível mundial nas políticas de promoção da igualdade racial porque legitima nosso direito há um tratamento diferenciado. O tratamento diferenciado não visa privilegiar, visa corrigir injustiças. A história do povo brasileiro legitima a crença de que determinado movimento foi deliberadamente prejudicado na construção de todo o processo republicano e histórico no Brasil”, explica.

Padilha afirma que o estatuto é um “trampolim” para buscar políticas complementares em espaço diferenciados, isto é, municípios e estados tem que, inspirados no estatuto, buscar ações efetivas de garantia de direito como implementação de cotas e visibilidade nos espaços de publicidade institucional.

O governo federal, por exemplo, garante a presença de negros negras em todas as peças publicitárias.

Na busca de ações específicas e coordenadas para garantir a promoção de direitos, municípios e estados devem fazer parte da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir) e para isso, segundo a secretaria, devem ter um órgão governamental destinado à igualdade racial e um conselho para o mesmo fim.

Na prática, o Sinapir incentiva a criação de órgãos que até então não existiam. Isso é fundamental para tornar a igualdade racial uma política de Estado. Atualmente 17 municípios e quatro estados já integram o sistema, e diversos outros já iniciaram o processo de adesão.

Para o secretário do PT, o racismo só será resolvido quando houver o empoderamento financeiro do segmento. “O enriquecimento da população africana é a garantia de que o racismo vai cair por terra. A gente precisa garantir o empoderamento financeiro e político da nossa população”, afirma.

De acordo Padilha, a lei 10.639/03, que torna obrigatório o ensino de História e Cultura Africana e Afro-Brasileira nas escolas de ensino fundamental e médio, ajuda bastante já que garante que as crianças brasileiras cresçam sabendo o que os africanos trouxeram para o Brasil.

Fonte: Danielle Cambraia, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais