‘Estado de S. Paulo’ manipula informações para criminalizar viagens de Lula

Compartilhar

 

Matéria publicada pelo jornal “Estado de S.Paulo” no último dia 22 tenta induzir o leitor a acreditar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria facilitado acordos comercias da empreiteira Odebrecht no exterior. A versão apresentada, no entanto, não se sustenta e foi desmentida pelo petista nesta quinta-feira (23).

A reportagem baseia-se em telegramas do serviço diplomático americano reproduzidos por relatórios do site WikiLeaks. A tentativa era associar o ex-presidente a algum tipo de atitude ilícita.

“Os próprios documentos usados na reportagem desmentem o Estado e confirmam que o ex-presidente atuou de maneira legítima e legal”, ressaltou a assessoria de Lula, em sua página no Facebook.

A publicação acusou ainda a reportagem de tentar “transformar as boas relações estabelecidas entre o Brasil e diversos países, principalmente durante o governo Lula, em um suposto escândalo de corrupção”.

“Uma das missões de todos os presidentes brasileiros é defender os interesses das nossas empresas no exterior, ajudando-as a conquistar novos mercados”, reforçou.

A nota no Facebook do ex-presidente cita também reportagem do jornal “GGN”, no qual  esclarece os fatos levantados pelo “Estado de S.Paulo” e explica que “de quatro casos usados de relatórios do WiliLeaks como exemplos, em apenas um aparece que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi importante para fechar acordo entre uma empresa angolana e a Odebrecht”.

Após explicar a adulteração dos fatos, o jornalista Luís Nassif comentou o fato e disse que a grande mídia trabalha a favor de seus interesses. “Um dos fenômenos menos estudados no século 20 foi o do enorme poder conferido aos grupos de mídia e como dele se prevaleceram negociantes pouco escrupulosos, usando os conceitos de liberdade de imprensa como biombo para suas jogadas”, argumentou.

O jornalista aproveitou para citar o livro “Número Zero” de Umberto Eco. A leitura proporciona conhecer técnicas para manipular informações e destaca que o “método empresarial na mídia apareceu no Estadão”.

Lições do livro são ressaltadas pelo jornalista, entre elas “como produzir acusações vagas, e sem provas, de modo que certas pessoas se sintam intimidadas, mas não consigam processar o jornal por difamação. (Ou, como) distorcer a realidade apenas relatando verdades”.

Internautas do Facebook que acessaram a página do Lula publicaram mensagens de apoio e solidariedade ao ex-presidente. O seguidor Francisco Queiroga Chega postou: “Chega de mentiras e desinformação.Essa mídia já passou dos limites ha tempos”.

Fonte:  Michelle Chiappa, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais