Petrobras se mantém entre as maiores do mundo

Compartilhar

 

Nem mais de um ano de Operação Lava Jato e o longo desdobramento de denúncias originadas em delações premiadas à Justiça ou o prejuízo financeiro decorrente do caso tiraram o brilho e a visibilidade da Petrobras como uma das maiores empresas do mundo.

A companhia estatal brasileira de petróleo é a 28ª do ranking anual da revista “Fortune”, com receita de US$ 143,657 bilhões (quase R$ 470 bilhões em valores desta quinta-feira (23), em 2014. É a 21ª vez que a Petrobras aparece na lista, em sua 61ª edição. Outra estatal brasileira, o Banco do Brasil, também está no ranking, com mais cinco empresas nacionais.

Lideram o ranking deste ano a rede varejista Walmart (dos Estados Unidos), a concorrente chinesa da Petrobras chamada Sinopec, seguida de outra petroleira de origem anglo-holandesa, a Shell.

Anunciado na terça-feira (22), esse tão prestigiado placar corporativo enumera as 500 maiores empresas do mundo pelo critério da rentabilidade: elas geraram US$ 31,2 trilhões (mais de R$ 102 trilhões) em receitas em 2014, com 65 milhões de empregados.

Além do Brasil, mais 35 países têm representantes na lista, que é liderada pelos Estados Unidos, com 128 empresas, seguida da China, com 106.

Brazucas - A segunda companhia brasileira mais bem colocada na lista é o Itaú Unibanco, que subiu para o 112º lugar (era a 138ª em 2014), seguida do BB (a 126ª, que foi 125ª no ano passado); Bradesco (185ª, dezoito posições à frente do 203º no ano passado); JBS/Friboi (202ª e 251ª em 2014); Vale (312ª, após ocupar 218ª); e Ultrapar (414ª, contra 430ª).

A revista destacou o atual esforço da Petrobras, maior empresa da América Latina, em cortar custos e desafazer-se de ativos para focar no financiamento de “tentadores” projetos de exploração e extração de petróleo em águas profundas (pré-sal).

A Fortune não deixou de recordar os quase US$ 300 bilhões em ativos e operações da Petrobras em 24 países, o que foi decisivo para elevação das vendas mesmo em plena crise e apesar da queda nos preços internacionais da commodity em 2014.

A revista declarou sua expectativa de que o atual processo por qual passa a estatal acabe resultando em menor interferência política na empresa que, como as demais do setor, administram o impacto da queda do preço internacional do petróleo e processos judiciais de acionistas que buscam compensação pelas perdas com as investigações da Polícia Federal.

Fonte: Márcio de Morais, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais