Ato em frente o Instituto Lula celebra a democracia com flores e abraços

Compartilhar

 

Entoando cantos de "Lula, guerreiro. Herói do povo brasileiro" e "Mexeu com o Lula, mexeu comigo", dezenas de pessoas tomaram a rua Pouso Alegre, no bairro do Ipiranga, na manhã desta sexta-feira, para protestar contra o ódio e celebrar a democracia.

Realizado na frente do Instituto Lula, o abraço "contra o ódio e a intolerância, pela apuração dos responsáveis" foi uma resposta ao atentado ocorrido no dia 30, quando foi lançada uma bomba no portão da entidade, e reuniu militantes de várias partes do país.

Sob demonstrações de solidariedade e carinho, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou ao Instituto, acompanhado de sua esposa, Dona Marisa Letícia, ovacionado pelos presentes. Diante disso, Lula retribuiu o carinho, distribuindo flores e abraços.

Presente no ato, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, classificou o ato como iniciativa importante para condenar todas as manifestações de ódio e de intolerância. Segundo Rui, atos de violência, como o ocorrido dia 30, não expressam o sentimento da maioria da população brasileira. “Essa não é a índole do povo brasileiro. Principalmente quando esse ódio se materializa numa bomba atirada contra o local de trabalho de um ex-presidente da República, da maior liderança que este país já produziu”, disse Rui.

O ato ainda contou com a participação do presidente estadual do PT-SP, Emidio de Souza, diversos vereadores, prefeitos e deputados, além de ministros, como Aloizio Mercadante, Jacques Vagner e Edinho Silva. Além dos dirigentes petistas, o ato também reuniu representantes de outros partidos, como PDT, PCO e PCdoB.


Leia abaixo algumas das manifestações das personalidades presentes no ato:

Alexandre Padilha, secretário de Relações Governamentais do Governo Haddad, ex-ministro
O atentado ao Instituto Lula é um atentado à democracia, à tolerância, a tudo que por que nós lutamos nesse país. Nós estamos aqui também para cobrar a apuração dos responsáveis, para que não se propaguem gestos de intolerância.

Benedita da Silva, deputada federal
Este ato é a demonstração de que o Partido dos Trabalhadores está organizado e não aceita nenhum golpe e que essa prática terrorista aqui no Instituto Lula vai fazer com que estejamos cada dia mais atentos. Eles não querem a Democracia, mas ela se implantou e vai ficar. E nós vamos estar cada dia mais a conquistando. Lula é o maior líder que nós temos na política brasileira e internacional, e portanto nós estamos junto com ele. Mexeu com ele, mexe com a gente.

Edinho Silva, ministro da Secretaria de Comunicação Social
Divergências devem ser resolvidas no debate político e se for uma questão de fundo, uma questão de direcionamento, se resolve no processo eleitoral. Você não pode resolver divergências políticas afrontando a democracia, afrontando as instituições democráticas.

Eduardo Suplicy, ex-senador, secretário de Direitos Humanos da Cidade de São Paulo
Eu vim aqui como centenas senão alguns milhares de companheiros, admiradores, pessoas que ao longo dos últimos 35, 40 anos sempre estivemos solidários aos trabalhadores, à causa da democracia, aos objetivos de construção democrática de uma nação mais justa, solidária e fraterna. Nós viemos aqui para dizer que achamos inadmissível e condenamos fortemente qualquer ato de violência contra quem quer que seja, ainda mais aqui um atentado que se realizou há poucos dias contra o Instituto Lula. Então estamos aqui solidários ao presidente Lula, a todos os diretores do Instituto Lula e para apoiar às manifestações que se dêem de forma pacífica numa democracia, e Constituição Federal Brasileira assegura o direito de manifestação de quem quer que seja desde que de maneira respeitosa e pacífica. Então viemos aqui para condenar este ato de atentado às nossas instituições democráticas.

Emir Sader, sociólogo e cientista político
Lula, e por extensão, o Instituto, é a figura-chave do passado, presente e futuro do Brasil. Eles lutam para destruí-lo e nós, para que ele seja o articulador da recomposição das forças populares do Brasil.

Jamil Murad, médico e membro do Comitê Central do PCdoB
Estamos aqui para protestar contra a violência da oposição; forças políticas, sociais, para dizer: nós defendemos a democracia e exigimos respeito.

Jaques Wagner, ministro da Defesa
"Eu acho que o direito de manifestação é fundamental. Considero que houve uma agressão clara, um pouco consequência do ambiente construído neste momento, estranho à história da democracia brasileira. Então alguém se acha no direito de jogar seja lá o que for... Eu acho que essa coisa tem de ser desmontada. Então estas pessoas que estão aqui com um sentimento de carinho pelo presidente Lula, seguramente a maior liderança popular dos últimos 40, 50 anos no brasil. Mas há também uma consciência que, no jogo da democracia, a convivência entre os diferentes é fundamental. Então tudo que estimula o ódio, a intolerância não é bem-vindo.

José Graziano, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)
Todos nós estamos aqui hoje defendendo o direito dos cidadãos de se manifestar livremente e ter opiniões diferentes sem ser violentos. Não há espaço para a violência neste momento do Brasil, nunca houve. O Brasil sempre foi um país que resolveu suas diferenças de modo pacífico e é isso o que todos nós queremos.

Ladislau Dowbor, membro do Conselho África do Instituto Lula e professor titular da PUC-SP
É uma reação da sociedade a um ato de bestialidade política. Usar de terrorismo depois de tanta luta para conquistar a democracia é regredir. Os acertos, a construção e a transformação que houve no Brasil nos últimos anos é patente. Tentar voltar atrás é lamentável. A reação das pessoas para defender o que a gente conquistou vai ser muito forte.

Laurindo Leal Filho, sociólogo e jornalista
É importante como primeiro passo para que mais grupos sociais se integrem nessa luta contra o golpe. Um ato como esse tem dois significados: a defesa da democracia e despertar a população para a necessidade do confronto de ideias em termos civilizados.

Lindbergh Farias, senador
Esse ato é um movimento de repulsa ao ato bárbaro que aconteceu aqui. Infelizmente setores da oposição brasileira tinham que ter dado um peso maior ao que aconteceu aqui. Eu não vi nenhuma declaração forte de lideranças do PSDB, do Aécio, do Fernando Henrique Cardoso... isso foi um atentado contra um ex-presidente da República do Brasil que tem um nome muito forte não só no país, mas representa muito o Brasil fora do Brasil. E o que a gente veio fazer aqui foi um desagravo. A gente não vai aceitar que movimentos fascistas como esse prosperem. E queremos — por isso que eu faço questão de falar da oposição — cobrar um posicionamento mais firme da oposição contra um ato como esse que aconteceu aqui.

Luiz Marinho, prefeito de São Bernardo do Campo
Nós pertencemos a uma geração, a algumas gerações, que conheceram o significado do que é intolerância, do que foi a ditadura militar, o que uma crise inventada, forçada pode levar. E nós sabemos que a democracia brasileira construiu vários líderes, de várias visões ideológicas... Mas a democracia produziu a maior liderança brasileira de todos os tempos, que é o presidente Lula. Uma direita raivosa, que tem a coragem de começar a mostrar as garras e ter a petulância de fazer um... na prática de executar um ato terrorista. Se fosse nos Estados Unidos, isso aqui ia ser enquadrado como terrorismo e possivelmente as forças de inteligência já teriam localizado, já estava preso e tal. Nós precisamos chamar a atenção do Ministério da Justiça, da Polícia Federal, do Supremo Tribunal Federal para os perigos que um processo desse crescente pode acontecer. Eu observo que tem muita gente que são corruptos confessos e que estão sendo tratados pela mídia como coitadinhos, como colaboradores. Corruptos confessos. Tudo para sacrificar o PT, sacrificar o Lula, sacrificar o governo. É preciso ter, evidentemente, um processo de serenidade para conduzir o país pra passar por essa crise econômica, mas é preciso ter responsabilidade de todos os órgãos que tenham responsabilidade para manter o Brasil nos trilhos.
Esse ato representa o simbolismo da militância de esquerda, popular, não só do PT, como mensagem: não brinque com isso, que isso é coisa séria. E precisamos continuar, acima de tudo, transformando o Brasil, porque tem muito pra fazer.

Renato Rabelo, presidente do PCdoB
O atentado é exatamente um exemplo do nível da intolerância e da atitude fascista que em alguns setores da nossa sociedade já se expande nessa hora. Dá corpo até a esse tipo de gente. O petardo lançado aqui o que é? O símbolo de uma violência física, de uma violência que a gente só pode entender como atitude facistóide. Então essa é a primeira questão. Segundo, Lula é um patrimônio brasileiro, porque é uma grande liderança do nosso povo e um homem de grande prestígio mundial. Aliás, nós conseguimos isso nesses 12 anos. Todo mundo fala do que a gente conseguiu, mas esse é o lado maior, é uma grande liderança. Por isso que eles querem atingir Lula. Porque o atingir Lula abre caminho para eles. Essa é que é a questão. Atingir Lula é atingir o projeto, atingir a esquerda. Por isso que nós estamos aqui. Não é uma questão só do PT, não, é uma questão da esquerda. Eles vão dizer depois que a esquerda falhou, que a esquerda não vale nada, que a esquerda exatamente levou o Brasil ao desastre. É isso que eles vão dizer. Por isso que Lula para nós é o maior símbolo da democracia e das conquistas alcançadas neste país.

Rui Falcão, presidente Nacional do PT
Em primeiro lugar, porque nós temos de condenar todas as manifestações de ódio e intolerância. Essa não é a índole do povo brasileiro. Principalmente quando esse ódio se materializa numa bomba atirada contra o local de trabalho de um ex-presidente da República, da maior liderança que este país já produziu. E é também um momento de solidariedade, dizer do nosso carinho, da nossa admiração, que estamos juntos em qualquer circunstância. Com ele, e em defesa da democracia também, porque a democracia é uma convivência de contrários, mas dentro de regras, de leis, e quando você rompe essas regras com atos de violência, a sociedade tem de reprovar.

Fonte: Cláudio Motta Jr | Linha Direta, com informações do Instituto Lula

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais