Após atentado à bomba, Lula recebe ‘abraçaço’ com flores

Compartilhar

 

Um ato contra o ódio e a intolerância marcou o Instituto Lula, com sede em São Paulo, nesta sexta-feira (7). Mais de mil pessoas participaram do ‘abraço’ ao local, também em protesto que a entidade sofreu no dia 30 de julho, quando foi alvo de uma bomba caseira.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, presente no evento junto a dona Marisa, distribuiu flores aos militantes. O ato também contou com a participação de pessoas de diversas cidades, além de lideranças e intelectuais.

Também compareceram ao evento em solidariedade ao ex-presidente diversos representantes das bancadas municipal, estadual e federal do Partido dos Trabalhadores; os ministros da Casa Civil, Defesa e da Secretaria de Comunicação, Aloizio Mercadante, Jacques Vagner e Edinho Silva; o presidente nacional do PT, Rui Falcão; e o secretário nacional de Comunicação da sigla, José Américo Dias.

Para o presidente do PT, o ato foi importante para condenar todas as manifestações de ódio e de intolerância. Ele também reforçou que o abraço simbólico ao Instituto Lula foi um momento de solidariedade, carinho e admiração ao ex-presidente.

“Essa não é a índole do povo brasileiro. Principalmente quando esse ódio se materializa numa bomba atirada contra o local de trabalho de um ex-presidente da República, da maior liderança que este país já produziu”, disse Falcão.

José Américo também afirmou que o ato aconteceu a favor da democracia, contra qualquer tentativa de golpe e fortaleceu ainda mais a militância que saiu fortalecida. “O povo na rua, golpista recua”, bradou a militância.

O ex-presidente Lula chegou ao instituto, que fica no bairro do Ipiranga, na zonal sul de São Paulo, acompanhado de sua esposa, Dona Marisa Letícia. Ele foi ovacionado com gritos “Olê, olê, olá, Lula, Lula”, cumprimentou, abraçou e tirou fotos com os participantes.

“Mais amor e menos ódio, é só isso que queremos”, desabafou uma militante de Guarulhos que carregava um cartaz com esses dizeres e pedia a punição dos envolvidos no atentado.

Além do ‘abraço’ desta sexta, a sede do Instituto Lula irá receber a vigília de movimentos sindicais e sociais na defesa da democracia no dia 16 de agosto.

“O bairro do Ipiranga parece ter ouvido pela primeira vez um brado retumbante para mostrar aos golpistas que se erguerem da injustiça a clava forte, a esquerda não fugirá a luta”, afirmou Igor dos Santos, dirigente do PT de Santo André.

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano, defendeu que não há espaço para violência no Brasil.

“O Brasil sempre foi um país que resolveu suas diferenças de modo pacífico e é isso o que todos nós queremos”, afirmou.

Fonte: Gustavo Mello, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais