Posso ter mudado muito, mas nunca mudei de lado, garante Dilma

Compartilhar

 

A presidenta Dilma Rousseff recebeu, nesta quinta-feira (13), mais de 1,5 mil representantes de diversos movimentos sociais no Palácio do Planalto. Durante o encontro, ela abordou diversos assuntos, reconheceu ter ‘mudado’, mas também não ter ‘mudado de lado’.

“Posso ter mudado muito, mas nunca mudei de lado”, declarou a presidenta.

Durante o encontro, os líderes dos movimentos declaram apoio ao mandato de Dilma Rousseff e criticaram a atuação da oposição que instiga golpe no país. A presidenta defendeu que a democracia deve ser preservada, “custe o que custar”.

“Se você não respeitar o resultado do jogo, não pode entrar no jogo”, afirmou.

Os presentes a apoiaram com o coro “Teve Copa, e teve tudo, só não vai ter terceiro turno!”. A presidenta reforçou a legitimidade de seu mandato, defendeu a democracia, e garantiu que “não haverá retrocesso nas políticas sociais”.

Os movimentos reivindicaram mais acessos à educação, saúde, trabalho e moradia, defenderam mais democracia no País e pediram à presidenta para não aceitar a redução da maioridade penal, que está em discussão no Congresso Nacional.

Além disso, Dilma recordou, aos militantes, sua luta pessoal para garantir um país democrático.

“Tenho de ter lealdade com a experiência histórica da minha geração. Eu sobrevivi, mas tenho de honrar todos que não sobreviveram”, afirmou.

Diante das demandas, a presidenta reforçou que vai “tomar todas as medidas para que esse país volte a crescer o mais rápido possível”. “Temos de avançar”, disse.

Na área de educação, Dilma Rousseff defendeu o programa Jovem Aprendiz. Para ela, a iniciativa assegura que o jovem estude e tenha oportunidade de trabalho. Ela também a vontade que parte do dinheiro que é captado com a exploração do pré-sal seja destinado para a educação.

“Enquanto for presidenta, lutarei para manter a Lei de Partilha”, garantiu.

O programa Mais Médicos também foi enaltecido pela presidenta como uma política pública que beneficia 63 milhões de pessoas e que irá continuar garantindo saúde aos brasileiros.

Ao final do discurso, Dilma Rousseff garantiu que “o governo fará o possível para garantir direitos e novas oportunidades”, afirmou.

Fonte: Michelle Chiappa, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais