Instituto Lula agradece aos participantes da Jornada pela Democracia

Compartilhar


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a equipe de seu instituto agradecem à concentração de milhares de pessoas neste domingo (16), no Ipiranga, em São Paulo, para rechaçar os ataques violentos promovidos contra Lula, Dilma e o PT, além de promover a defesa da democracia.

O ato Jornada pela Democracia, transmitido ao vivo pela TVT, promoveu diversos debates com a participação de agentes políticos importantes do campo progressista, como os economistas Luiz Gonzaga Belluzzo e Marcio Pochmann, a psicanalista Maria Rita Kehl, a cartunista Laerte, os deputados federal Paulo Teixeira e Vicente Candido, o ex-deputado estadual Adriano Diogo, o advogado da Comissão da Verdade Renan Quinalha, o secretário municipal de Direitos Humanos de São Paulo, Eduardo Suplicy, entre outros. Clara Ant e Celso Marcondes, diretores do Instituto Lula, falaram sobre as atividades do instituto e o ataque a bomba sofrido há 15 dias.

"Não recebemos dinheiro de governos. Somos uma entidade sem fins lucrativos, financiada por meio de doações voluntárias, ao contrário do que parte da imprensa diz. Aqui, realizamos atividades, principalmente, de cooperação com países da África e da América Latina, para compartilhar políticas públicas bem sucedidas", explicou Clara.

"Aqui, no Instituto, construímos algumas das principais políticas públicas aplicadas nos governos de Lula. Ele chegou à presidência com uma mochila cheia de propostas construídas coletivamente aqui, como o Fome Zero. Então, quando lançam uma bomba contra o Instituto, o ataque não é apenas contra um partido ou um governo, mas contra o Fome Zero e outros projetos de mudança social como esse", completou.

Marcondes reafirmou que o episódio do ataque ao Instituto Lula não deve ser relativizado. "Vimos uma reação desproporcional da mídia em relação a esse caso, porque foi um ataque ao escritório onde trabalha um ex-presidente da República. Falam em `bomba caseira` como se fosse menos grave, mas a bomba do ataque terrorista a Boston era caseira. Na época da ditadura, as bombas nas bancas de jornal, no Rio-Centro, na OAB, eram caseiras", ponderou.

 

Fonte:

 

Fonte: Por Instituto Lula

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais