"PT é vítima de uma campanha criminalizadora", diz Marco Aurélio Garcia

Compartilhar

 

O assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, declarou, nesta quinta-feira (10), em entrevista ao jornal “El País”, o PT está sendo vítima de uma campanha “criminalizadora” que não condiz com a realidade.

O assessor está em Washington, capital dos Estados Unidos, onde participou da XIX Conferência Anual da CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) sobre os principais desafios da América Latina.

Questionado sobre a percepção internacional dos desdobramentos da Operação Lava Jato, Garcia avaliou que o “espanto internacional” se baseia na “gigantesca campanha para julgar pessoas antes da realização do julgamento”.

“As detenções até agora são preventivas, não houve condenações no processo até agora. Não quero ser paranoico, mas há um projeto, uma tentativa de criminalizar o PT e seus dirigentes”, declarou.

“Com relação aos protestos, está bem claro o que a direita quer fazer. Durante um período, ela ficou um pouco desconcertada com o sucesso de nossos governos, mas saiu da perplexidade e aproveitou a conjuntura, que era favorável para ela em certa medida, e os erros que nós também cometemos, para empurrar a coisa”, declarou.

Para ele, o PT precisa “refletir” sobre alguns “erros” cometidos e apurar “responsabilidades”, mas diz que a campanha “criminalizadora” contra o partido não condiz com a realidade.

Garcia disse ainda que o PT está fazendo uma “em certa medida”, uma reflexão sobre a trajetória de conquistas e lutas para não deteriorar ainda mais sua imagem.

“O partido tem uma capilaridade social extraordinária. E os erros que possa ter cometido, alguns deles graves, e inclusive as responsabilidades de alguns de seus dirigentes não vão comprometer isso”, avaliou.

Sobre a influência que a situação política brasileira tem na imagem do Brasil no exterior, o assessor disse acreditar ser algo reversível.

“O Brasil hoje está enfrentando as dificuldades econômicas. Vencidas essas dificuldades, temos condições que se resolverão, seja a popularidade da presidenta ou a imagem do país. O que não significa que não tenhamos de agir para pensar nosso futuro. Hoje estamos submersos no presente, preocupados com o presente. E o futuro sempre tem dois dias”, finalizou.

 

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais