Usar a crise para chegar ao poder é "versão moderna de golpe", declara Dilma

Compartilhar

A presidenta Dilma Rousseff afirmou, nesta quarta-feira (16), durante entrevista à rádio de Presidente Prudente (SP), que utilizar a crise para tentar chegar ao poder é uma forma de golpe.

Dilma lembrou que “todos os países passaram por dificuldades” e que não se viu propostas de ruptura democrática para superar a crise. “Esse método, que é querer utilizar a crise como um mecanismo para você chegar ao poder, é uma versão moderna de golpe”, criticou.

“Eu acredito que tenham ainda no Brasil, infelizmente, pessoas que não se conformam que nós sejamos uma democracia sólida, cujo fundamento maior é a legitimidade dada pelo voto popular”, disse.

De acordo com a presidenta, essas pessoas geralmente torcem para o quanto pior, melhor. “E aí é em todas as áreas. Quanto pior, melhor na economia. Quanto pior, melhor na área da política. Todas elas esperando uma oportunidade para pescar em águas turvas”, analisou.

Sobre o rebaixamento do grau de investimento do Brasil pela Standard & Poor’s, Dilma recordou que os Estados Unidos foram rebaixados em 2011, a França, a Itália e a Espanha em 2012.

“Todos os países foram muito maiores que suas notas. E o Brasil é muito maior que sua nota. Todos voltaram a crescer e vai ser assim com o Brasil”, defendeu.

A presidenta declarou que o Brasil está adotando medidas importantes para superar a crise. “Estamos trabalhando imensamente para que nossa economia se torne cada vez mais sólida para aumentar a confiança dos agentes econômicas em relação aos investimentos”, disse.

Dilma acrescentou que o País não enfrenta problemas de crédito internacional e que o governo está agindo para controlar a inflação, atingir o equilíbrio do orçamento e garantir o crescimento.

“Nós somos a sétima economia do mundo e por isso vamos atravessar esse período de crise que muitos países passaram, que nós procuramos de todos os meios evitar, não foi possível. E vamos fazer todas essas medidas, tanto as de reequilíbrio ou ajuste fiscal e as de estímulo ao investimento, à agricultura para voltar a crescer e gerar emprego”, detalhou.

 

Fonte: Cristina Sena, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais