Em entrevista, Rui Falcão defende mudanças urgentes na política econômica

Compartilhar

O presidente Nacional do PT, Rui Falcão, cobrou mudanças na atual política econômica adotada pelo governo. Em entrevista ao jornal “Folha de São Paulo”, publicada neste domingo (18), ele defende maior crédito para investimentos e consumo para impulsionar a retomada do crescimento.

“Precisamos devolver esperança para a população”, declarou.

O dirigente também criticou a estratégia usada para controlar a inflação, com alta taxa de juros e “contenção exagerada do crédito”.

“É importante mudar a política econômica. É preciso que se libere crédito para investimento, para consumo. É uma forma de fazer a economia rodar”, justificou.

Rui Falcão ressaltou também a preocupação da presidenta Dilma Rousseff com a geração de emprego e “manutenção dos ganhos de renda”.

“Ela está preocupada com a crise política. Quer estabilidade para fazer o país voltar a crescer. E a preocupação dela é com emprego, manutenção dos ganhos de renda”, reforçou o petista.

Como solução, Rui Falcão sugere uma “liberação de crédito com responsabilidade”. “Há mecanismos para isso, desde crédito consignado, eventualmente mexer com o compulsório dos bancos para que os bancos privados possam liberar crédito. Mas é impressão minha, ela não disse isso”, apontou.

Questionado sobre uma possível substituição do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o dirigente afirmou que a decisão, caso seja necessária, será da presidenta Dilma.

“Um ministro da Fazenda não pode ficar na berlinda porque isso provoca consequências na economia. Se a presidente tiver a decisão de amanhã ou depois substituí-lo, isso não se anuncia previamente nem serei eu que sairei pedindo a substituição”, declarou.

Ódio ao PT - Sobre os sucessivos ataques que o partido vem sofrendo, Rui Falcão disse que é “inadmissível” conviver com esse “clima de ódio e intolerância”.

“Com ou sem autocrítica, nada justifica o ódio e a intolerância. Temos feito autocrítica, sim. O PT não deveria ter enveredado pelo financiamento empresarial, porque nos igualamos aos outros partidos. Não podemos ficar exclusivamente na disputa eleitoral. Ninguém combateu a corrupção como nós, avaliou.

Câmara – O presidente do PT voltou também a desmentir o boato de que o partido teria feito um acordo com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), para evitar processo contra ele no Conselho de Ética.

“Quem tem acordo declarado com ele, fotografado e reconhecido, é a oposição”, refutou.

“Ele é o presidente da Câmara até segunda ordem. Tem que haver uma relação institucional. Isso não significa blindar investigação”, completou, ao dizer que a situação de Cunha “está cada vez mais insustentável.

 

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais