"Temos o direto de viver sem violência e temos uma lei para isso", diz Maria da Penha

Compartilhar

 

A Lei Maria da Penha, que prevê penas mais duras para os casos de violência contra a mulher, tem esse nome para homenagear uma cearense que enfrentou duas tentativas de homicídio praticadas pelo seu ex-marido.

Nove anos após a aprovação da Lei 11.340, Maria da Penha Maia Fernandes avaliou o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”, como uma ajuda para medir o quanto a juventude está atenta aos direitos das mulheres.

“Foi algo muito importante. Traz uma visibilidade muito grande para o assunto por parte de quem organizou o Enem. As estatísticas de agressões contra as mulheres estão aí e a população conhece a Lei, embora muita gente não saiba exatamente como ela funciona”, afirmou Maria da Penha, em entrevista ao “Portal Brasil” publicada nesta quarta-feira (28).

Para ela, as redações do Enem podem servir para dar um panorama de “como está o entendimento por parte dos jovens a respeito do funcionamento da Lei, ou seja, se as pessoas estão entendendo a finalidade, se é considerada um avanço e, principalmente, se as mulheres estão conscientes sobre os seus direitos”.

“A redação irá permitir medir o quanto os jovens estão conscientes que bater em uma mulher é crime e que, se isso acontecer, eles serão punidos”, ressaltou.

Maria da Penha acrescentou, ainda, que a cultura machista continua interferindo para que a Lei não seja amplamente aplicada.

Sobre o serviço da Central de Atendimento da Mulher (Ligue 180), da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Penha afirmou ser essencial para ajudar pessoas em situação de violência, especialmente as que moram em local com pouca infraestrutura para um atendimento personalizado.

Leia a entrevista completa Clique aqui

 

Fonte: Redação da Agência PT de Notícias, com informações do “Portal Brasil”

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais