Marcha da Consciência Negra reúne 5 mil na capital paulista

Compartilhar

O protagonismo das mulheres negras e o alerta ao genocídio da juventude negra deram o tom da mobilização na XII Marcha da Consciência, que reuniu cerca de 5.000 pessoas.

Os militantes participaram da caminhada pela Av. Paulista e Rua da Consolação, encerrando a atividade com ato público em frente ao Teatro Municipal, no centro de São Paulo.

Na concentração, o vão livre do Masp deu espaço tanto às palavras de ordem, que, entre outros, cobraram o fim da militarização da polícia, como também às diversas expressões culturais do povo negro, com um grande círculo de capoeira, samba de roda e batucadas em meio às faixas e bandeiras.

Empoderamento e luta por direitos

Várias lideranças comemoraram a realização da Marcha das Mulheres Negras, com mais de 20 mil pessoas em Brasília no último dia 18 de novembro.

Saudando a articulação entre as diferentes gerações no movimento negro, Sara Siqueira, da Marcha Mundial de Mulheres, garante que o próximo período continuará pautado pelas mobilizações públicas.

“Nós, mulheres negras, somos as maiores vítimas da violência, do aborto. Seguiremos nas ruas enquanto continuarmos sendo exploradas, enquanto existir um sistema político que não nos representa e enquanto a sociedade não mudar, porque da maneira como está não estamos felizes”, ressaltou.

A manutenção de direitos e a reafirmação da luta contra a discriminação racial são os desafios futuros destacados por Rosana Aparecida da Silva, secretária de Combate ao Racismo da CUT São Paulo.

Uma das preocupações da sindicalista é com a terceirização, já que os serviços mais terceirizados, de limpeza e segurança, empregam principalmente os afrodescendentes. Outra é a continuidade de programas que apoiam essa população, como o Bolsa Família, e visibilizar, de fato, os negros e negros, que são cerca de 52% dos habitantes do país.

“É ainda uma cultura difícil e precisamos conscientizar para que as pessoas entendam que esses programas são bens comuns, de todos. Quando o movimento negro faz a luta não é só pelo povo negro, se trata de uma luta de classes e pelo empoderamento de todos e todas”, diz a secretária cutista.

Resistência e reflexão

Criado há 12 anos e instituído nacionalmente em 2011, o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra marca mobilizações nas várias cidades brasileiras onde o feriado é decretado, numa referência à data da morte do líder do quilombo de Palmares (AL) assassinado em 1695 pelas tropas portuguesas.

“É um dia para refletir sobre o que foi a luta de Zumbi dos Palmares e sobre qual é o nosso dever atual na continuidade dessa batalha. Todos deveríamos refletir sobre isso cotidianamente, mas hoje é o dia ‘oficial’, não é?”, observa o capoeirista Aurélio de Freitas, o Mestre Aurélio, do Grupo Baraká.

“Temos que refletir sobre o que foi e o que é a luta agora, sobre qual é a escravidão dos dias de hoje e como são os movimentos da sociedade para posicionar não só a raça negra, mas todos os excluídos”, completa Aurélio.

Pela primeira vez numa manifestação pública, o jovem F. A. D., de 16 anos, veio à marcha em solidariedade a um amigo que se tornou militante depois de perder um parente, assassinado pela polícia após ser confundido com um sequestrador.

"Quem vive na favela já sabe da truculência policial, mas na minha infância eu não tinha ideia de que eram tantos jovens negros assassinatos. Se isso não é genocídio, não sei que nome tem, mas não é só violência por falta de segurança nas ruas”, critica o estudante da zona oeste paulistana.

Contra os retrocessos e a sub-representação

A invisibilidade dos negros e negras se reflete na representação dessa população no parlamento e em todas as esferas de governo. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) demonstram que, dos 513 deputados eleitos ano passado, 79,9% se declararam brancos, 15,7%, pardos e 4,29%, pretos, sem que nenhum se declarasse indígena ou amarelo.

A sub-representação no parlamento é o mais grave na opinião do deputado federal Vicentinho (PT-SP) por ser o último lugar onde o povo pode definir questões de forma mais direta.

“É preciso que se vote consciente. A presença dos negros nas estruturas de poder vai depender muito mais de nós, povo negro, do que de quem está no poder. Isso também vale para o movimento sindical e para qualquer instituição, em que a gente percebe que há uma diferença de representação racial muito grande”, afirma.

A fusão das secretarias de Direitos Humanos (SDH), de Políticas para Mulheres (SPM) e de Políticas Promoção da Igualdade Racial (Seppir) em um único ministério, medida tomada pelo governo federal no início de novembro, frustra os avanços conquistados pelo movimento negro, diz Sandra Mariano, da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen).

“Nós entendemos e acreditamos que as políticas de promoção de igualdade racial e as de politicas para as mulheres ainda permaneçam, porém, é lógico que o ritmo vai mudar. Mas acreditamos no compromisso do governo Dilma com os negros e as mulheres”, conclui a liderança.

 

Fonte: Por CUT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais