Roberto Amaral defende movimento de liberais e democratas contra golpe

Compartilhar

 

O ex-presidente nacional do PSB Roberto Amaral defende que a luta contra o golpe, sob o disfarce jurídico de impeachment, precisa neste momento contar com mais forças do que as que se situam no chamado “campo da esquerda”.

Ministro de Ciência e Tecnologia no primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, de janeiro de 2003 a janeiro de 2004, Amaral menciona os nomes de Luiz Carlos Bresser-Pereira, Fábio Konder Comparato e Marcello Lavenère (autor do pedido de impeachment contra Fernando Collor) como exemplos de aliados importantes na ampliação das forças contra o impeachment.

Para Amaral, a carta de Michel Temer à presidenta Dilma Rousseff, que supostamente “vazou” e teria surpreendido até mesmo membros da cúpula do PMDB, segundo notícias veiculadas pela imprensa, “é um álibi apenas, para justificar as ações dele”.

O sr. acha que a unidade entre setores da esquerda pode estar sendo alcançada contra o golpe?

Começa que eu tenho uma divergência quanto a essa afirmação. O que nós precisamos não é da unidade das esquerdas, é da unidade das forças democráticas. As esquerdas sempre estiveram unidas. O problema não é a esquerda, o problema é ampliar nosso campo, atraindo para a defesa da legalidade todos os liberais e democratas. Pessoas como Luiz Carlos Bresser-Pereira, Fábio Konder Comparato, Marcelo Lavenére. Foi assim que fizemos a resistência à ditadura: precisamos ampliar. A esquerda com a esquerda não acrescenta nada.

Mas as duas frentes, Brasil Popular e Povo sem Medo, reuniram-se ontem em busca de uma agenda e estratégia comuns...

A posição da Frente Brasil Popular é pela unidade de todas as forças que estejam dispostas a lutar pela legalidade. Ontem, à noite, nos reunimos com essa nova frente (Brasil sem Medo), mas isso não quer dizer que a gente tenha que ficar nisso. Tem que ampliar. Inclusive aprovamos ontem fazer uma grande reunião, que possivelmente será em Brasília, com as forças democráticas e liberais que não são do campo da esquerda, mas estão dispostas a defender o mandato da presidente. As reuniões com a esquerda são para ajustar ações.

Como o sr. avalia o papel da Marina Silva, que tem dado declarações ambíguas, ora se dizendo contra o impeachment, ora afirmando ser a favor da “anulação” do processo eleitoral da presidenta e do vice?

Você fez a pergunta respondendo. A posição dela é ambígua. No entanto, nós devemos conversar com ela. Devemos conversar com todas as forças.

Como o sr. analisa a carta do Michel Temer?

A carta, do meu ponto de vista, é um álibi apenas, para justificar as ações dele. Na verdade, ele foi pego de calças curtas. O comportamento dele é o de quem transita da ambiguidade para a deslealdade e ele encontrou nessa carta um instrumento para justificar os feitos atrás e principalmente o que vai fazer daqui para a frente. Espero que não tenha sido surpresa para o Planalto.

Segundo a imprensa, teria surpreendido inclusive lideranças do PMDB

Não creio.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais