Em carta, prefeitos de 14 capitais repudiam tentativa de impeachment contra Dilma

Compartilhar

 

Um grupo de prefeitos de 14 capitais brasileiras se reuniu, na tarde de segunda-feira (14), com a presidenta Dilma Rousseff para prestar solidariedade ao governo e manifestar repúdio à tentativa de golpe.

Em nota intitulada “Em Defesa das Instituições Brasileiras”, os prefeitos afirmam que o Brasil deve respeitar a vontade da população, que conferiu à Dilma o exercício do mandato.

“Nós, prefeitos de capitais brasileiras, repudiamos o acolhimento do pedido de abertura de impeachment contra a presidenta da República, acatado pelo presidente da Câmara Federal”, diz o documento.

“A presidenta Dilma Rousseff tem demonstrado retidão institucional e compromisso público no exercício de suas funções”, explicaram os prefeitos.

 

Confira a nota, na íntegra:

“Nós, prefeitos de capitais brasileiras, repudiamos o acolhimento do pedido de abertura de impeachment contra a presidenta da República, acatado pelo presidente da Câmara Federal.

Devemos respeitar a vontade da população que conferiu à presidenta da República o exercício de seu mandato. A presidenta Dilma Rousseff tem demonstrado retidão institucional e compromisso público no exercício de suas funções.

Vale ressaltar que a análise do pedido de afastamento se inicia eivada de vícios, o que denota condução desvirtuada do processo. Por isso, os efeitos foram responsavelmente suspensos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) até a decisão do Plenário daquela instituição.

A banalização do uso do dispositivo legal do impeachment fragiliza as instituições e atenta contra a democracia. No pedido acolhido pela Presidência da Câmara dos Deputados não há atos ou fatos que respaldem o início de um processo dessa natureza. A peça se apoia em ilações e suposições que tentam, sem consistência jurídica, imputar responsabilidade à presidenta da República, como em pedidos rejeitados anteriormente.

As dificuldades pelas quais passa o Brasil não serão superadas a partir do desrespeito à ordem constitucional. Pelo contrário, um processo com essas características fere e desestabiliza o País.

Por fim, acentuamos que o diálogo nacional deve se apoiar primordialmente no respeito à civilidade democrática e ao resultado das urnas nas últimas eleições.

Brasília, 14 de dezembro de 2015,

Alcides Bernal,
Prefeito de Campo Grande;

Carlos Eduardo Alves,
Prefeito de Natal;

Edivaldo Holando Junior,
Prefeito de São Luís;

Fernando Haddad,
Prefeito de São Paulo;

José Fortunati,
Prefeito de Porto Alegre;

Marcus Alexandre,
Prefeito de Rio Branco;

Roberto Cláudio,
Prefeito de Fortaleza;

Carlos Amastha,
Prefeito de Palmas;

Clécio Luiz,
Prefeito de Macapá;

Eduardo Paes,
Prefeito do Rio de Janeiro;

Gustavo Fruet,
Prefeito de Curitiba;

Luciano Cartaxo,
Prefeito de João Pessoa;

Paulo Garcia,
Prefeito de Goiânia;

Teresa Surita,
Prefeita de Boa Vista”

Fonte:  Redação da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais