Representantes do movimento negro manifestam solidariedade a Lula

Compartilhar

 

Nesta terça-feira (23), representantes do movimento negro se reuniram com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Paulo. A reunião foi um desdobramento de encontro realizado em setembro de 2015. Saiba mais: Clique aqui . Além de membros do movimento negro organizado, participaram quilombolas, acadêmicos, agricultores, políticos e representantes dos movimentos sindical, social, estudantil e da cultura.

Desta vez, a pauta consistiu da apresentação de três documentos cujo propósito é unificar as diversas demandas do movimento negro. Lula recebeu a proposta do 4°Festival Mundial de Artes Negras no Brasil-Diáspora, a ser realizado em 2017, o documento “Convergências da Luta de Combate ao Racismo no Brasil”, elaborado por lideranças do movimento negro durante o Fórum Social Temático de Porto Alegre, em 2016, e a “Carta das Mulheres Negras 2015”. Além disso, os presentes manifestaram solidariedade a Lula frente aos ataques de parte da imprensa e das autoridades.

Segundo Flávio Jorge, diretor do Conen (Coordenação Nacional de Entidades Negras), está acontecendo “um ataque a um projeto político que deu certo”. O momento, afirmou, “é de apoio e afeto a Lula”. Para Edson França, presidente Nacional da União de Negros pela Igualdade, trata-se de “um ataque a um legado político que tem tirado o país da subserviência”. Nuno Coelho, integrante do Conselho Nacional de Políticas de Igualdade Racial, falando sobre os mandatos de Lula, disse que “mais do que falar”, o ex-presidente “incorporou e executou” as demandas do movimento negro.

“O Brasil é um país conservador e o conservadorismo não quer que a gente continue avançando”, disse Djamila Ribeiro filósofa e colunista da CartaCapital. Ribeiro definiu os ataques como “ilegítimos”, e afirmou que “não podemos ficar calados num momento como esse”. Nilma Lino Gomes, ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, disse que “várias das lutas do movimento negro viraram políticas públicas” durante os governos de Lula e Dilma. “O fato de ser um momento difícil não significa que temos de perder a esperança”, alertou a ministra.

O ex-presidente Lula agradeceu às manifestações de solidariedade, mas pediu para que os presentes não se preocupassem: “Sou muito calejado”. “Nunca tive sossego. Eu era acusado de andar de primeira classe quando nunca tinha entrado num avião. Eu jamais faria uma coisa errada, ainda mais porque isso seria trair quem me levou aonde cheguei, que é a classe trabalhadora”, afirmou. Referindo-se às políticas públicas que permitiram a entrada dos jovens negros e pobres nas universidades, afirmou: “O que fizemos em 10 anos não tinha sido feito em 500 anos de história. É tudo? Não. É apenas o começo”.

 

Fonte: Instituto Lula

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais