Postado por Agência PT, em 15 de março de 2016 às 11:06:34

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve, na noite de segunda-feira (14), a condenação de três policiais federais por corrupção passiva na Operação Sucuri, que investigou a atuação de agentes em esquema de facilitação de contrabando em Foz do Iguaçu (PR), cidade que faz fronteira com o Paraguai e a Argentina. Entre os condenados está Newton Hidenori Ishii, o “japonês da Federal”, que ganhou fama por escoltar diversos presos na Operação Lava Jato.

Ishii foi preso em 2003 e condenado em primeira instância em 2009, mas se manteve no cargo enquanto seu recurso não era julgado. De acordo com seu advogado, Ishii responde a três processos, derivados da Operação Sucuri, sendo um na esfera criminal, outro administrativo e um terceiro por improbidade administrativa.

A denúncia original afirma que os servidores públicos não fiscalizavam os veículos participantes do esquema de contrabando ou apenas simulavam uma fiscalização, sem apreender nada. De acordo com o Paraná Portal, Ishii foi preso em 2003 na Operação Sucuri, ao lado de outros 22 agentes da Polícia Federal, sete auditores da Receita Federal e três policiais rodoviários federais. Também foram atingidos contrabandistas e intermediários.

Cabe recurso para a decisão do STJ.

Vazamento de informações
A gravação em áudio que levou à prisão o senador Delcídio do Amaral e o banqueiro André Esteves, em novembro de 2015, pode ajudar a elucidar parte dos vazamentos de informações sigilosas da Operação Lava Jato à imprensa. No áudio, o senador discute o teor do material, lamenta o vazamento e diz não saber quem vazou. Ele, então, ouve de Edson Ribeiro, advogado do Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras: “É o japonês. Se for alguém é o japonês”. Diogo Ribeiro, chefe de gabinete de Delcídio, que também estava na conversa, complementa: “É o japonês bonzinho”.

conversa

 

Delcídio pergunta quem seria o “japonês bonzinho” e o advogado de Cerveró diz: “É. Ele vende as informações para as revistas”. Na sequência, o senador petista diz que a figura em questão é “o cara da carceragem, ele que controla a carceragem”, informação confirmada pelo filho de Cerveró.

Fonte: PT de Notícias, com informações do Portal Paraná