500 mil pessoas tomam a Paulista e gritam: “Não vai ter golpe”

Compartilhar

 Rui Falcão: Contra o golpe, petista não foge à luta

 

 

 

Gente de todas as cores, profissões e posições sociais tomaram a avenida Paulista, em São Paulo, para defender a Democracia e combater a tentativa de golpe em vigor no Brasil. As primeiras movimentações começaram no fim da manhã. Às 15h, a frente do Museu de Artes de São Paulo (Masp) já estava tomada. Uma hora depois, 500 mil pessoas tomaram os três quilômetros do endereço mais conhecido de São Paulo para garantir: “Não vai ter golpe”.

PINT1410

A variedade de pautas estava presente num dos maiores atos da esquerda da história de São Paulo. Houve reivindicações a favor das mulheres, dos negros, da população da periferia, dos LGBTs, da luta-anti-manicomial, pelos trabalhadores, em prol dos estudantes de escolas públicas e de universidades. “Eu achava que veria uma Paulista vermelha. Mas, mais do que vermelha, ela está multi-colorida”, exaltou a estudante de economia Fernanda Coimbra.

10310518_352416484882235_4685717789381028310_n

O ato tomou a avenida desde a Consolação até o Paraíso. Ou seja, em toda sua extensão. Em vez de raiva e violência, os manifestantes cantaram, fizeram batucadas e, em muitos momentos, se divertiram. Mas não faltou combate. Entre as figuras mais rechaçadas pelos presentes estavam o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e o juiz Sérgio Moro, por sua perseguição ideológica e o vazamento de áudio inconstitucional de conversas entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente e ministro da Casa Civil Luiz Inácio Lula da Silva.

PINT1906

O momento mais esperado, aliás, foi a presença de Lula no evento. Ele chegou por volta das 19h20 e fez um discurso emocionado e forte a favor do Brasil, da Democracia e contra a perseguição que o PT e grupos de esquerda têm sofridos no País. “O que vocês estão fazendo hoje na Paulista é uma lição sobre a capacidade do povo brasileiro. O povo não quer que a democracia seja apenas uma palavra escrita. Tem gente que ainda não aprendeu que a democracia é a única possibilidade que a gente tem de fazer um governo com a participação do povo”, afirmou.

O povo aplaudiu e continuou na rua. Sem hora para terminar.

Fonte: Bruno Hoffmann, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais