Lula: Derrota na comissão montada por Cunha não quer dizer nada

Compartilhar
 


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva minimizou, durante ato com artistas no Rio de Janeiro, nos Arcos da Lapa, nesta segunda-feira (11), o resultado negativo para o governo Dilma Rousseff na comissão do impeachment. Segundo ele, a aprovação do relatório de Jovair Arantes (PSDB-GO) “não quer dizer nada”.

“Isso não quer dizer nada. A comissão foi montada pelo Eduardo Cunha”, avaliou o ex-presidente.

Ele condenou as tentativas de golpe contra a democracia brasileira e contra a presidenta Dilma Rousseff. Além disso, o ex-presidente lembrou que tinha 18 anos, na época do golpe que instaurou a ditadura militar no Brasil.

“Eu, ainda muito jovem, por alguns momentos acreditei que o Brasil ia melhorar e demorou 23 anos para a gente recuperar a direito a democracia nesse país. Eu jamais imaginei a gente ver golpista tentando tirar uma presidenta eleita pelo voto popular”, criticou.

Lula voltou a cobrar que a oposição respeite o voto popular e espere as próximas eleições para disputar a Presidência da República. “Perdi eleições e fiquei quieto. Perdi roubado com o apoio da Globo e fiquei quieto. E nunca vocês viram eu reclamar, eu ir pra Justiça para tentar derrubar os que ganharam de mim”.

“Eu queria que eles soubessem que eu desde muito cedo aprendi a andar de cabeça erguida. É importante a gente dizer: aprendam com o Lula, saibam esperar, o Lula esperou 12 anos pra chegar lá”, continuou o ex-presidente.

Sobre o convite feito pela presidenta Dilma para que ele fizesse parte da Casa Civil, Lula disse ter aceitado para ajudar a “recuperar” o Brasil. “A Dilma me convidou para voltar em agosto e eu não quis, me convidou depois e eu não quis. Quando foi agora ela disse que precisava de mim e eu aceitei para recuperar esse país”, explicou.

Ao público, Lula disse estar “cansado” de ver mentiras em capas de revistas e lembrou as denúncias contra a Rede Globo, que teria um “triplex em Paraty”. No entanto, ele afirmou que não tem raiva dos opositores.

“Eu não quero ter raiva, a gente mede o brasileiro pela vergonha que a gente tem na cara. Eu não tenho vergonha de usar vermelho, porque meu sangue é vermelho, porque o vermelho simboliza a corrente sanguínea. Quem quer ser amarelo é porque tem hepatite”, ironizou.

Fonte: Redação da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais