Dilma denuncia que os golpistas querem transformar a CLT em letra morta

Compartilhar

 

Em discurso histórico, presidenta frisou que golpistas e traidores querem rasgar a Constituição e retirar direitos dos trabalhadores

 

Os golpista rasgam a Constituição do país e querem retirar direitos dos trabalhadores. A presidenta Dilma Rousseff afirmou isso, durante discurso no ato de 1º de Maio que comemora o Dia do Trabalhador, no Vale do Anhangabaú, em São Paulo.

Antes de anunciar a elevação de recursos para programas sociais e garantir novas conquistas para os trabalhadores, a presidenta destrinchou as principais propostas dos golpistas. Ela leu manchetes de jornais que trazem informações sobre um eventual governo Temer realizar mudanças na CLT, no Bolsa Família, no pré-sal e até no salário-mínimo. "Eles propõem o fim da política de valorização do salário mínimo, que garantiu aumento real de 76% acima da inflação. Querem acabar com o reajuste dos aposentados. Querem transformar a CLT em letra morta e privatizar tudo o que for possível", ressaltou.

Ao comentar as notícias, Dilma lembrou, por exemplo, que os jornais registraram a intenção dos golpistas acabarem com a obrigatoriedade do Governo Federal investir uma determinada parte do Orçamento com saúde e educação. "Sempre que vocês virem uma palavra que, às vezes, é ‘focar’, ‘revisitar’ certas políticas sociais, significa que vão acabar com elas”, explicou.

Dilma rebateu seus oponentes frisando que programas sociais não trazem desequilíbrio à economia do país. “Eles estão falando em reolhar, rever, revisitar o Pronatec, o Minha Casa, Minha Vida. Nós temos uma situação que os programas sociais são olhados como responsáveis pelo desequilíbrio do país. É mentira. O desequilíbrio do país é a necessária reforma tributária.”

A presidenta afirmou que a notícia "mais triste, porque a mais perversa", é de acabar com parte do Bolsa Família, que, segundo o projeto golpista, deve ser restrito aos 5% mais pobres, ou 10 milhões de pessoas. "Sabem quantas pessoas recebem hoje o Bolsa Família? 47 milhões", disse a presidenta, acrescentando que os excluídos serão "entregues às forças do mercado".

Denunciando a tentativa golpista de eliminar direitos trabalhistas, a presidenta afirmou que, enquanto o governo quer mais, os golpistas querem menos. “Eles propõem que o negociado possa viger sobre a lei, que o negociado possa ser menos que a lei. Nós acreditamos, porém, que o negociado pode prevalecer desde que ele seja mais do que a lei. Eles querem menos, nós, mais”, disse.

Golpe

Em um histórico discurso, Dilma reafirmou estar sendo vítima de um golpe. "Se não tem base para o impeachment, o que é que está havendo?", questionou.

"Como não tenho conta no exterior, nunca recebi dinheiro do povo brasileiro, nunca recebi propina e nunca fui acusada de corrupção, eles tiveram de inventar um crime", afirmou a presidenta.

Dilma afirmou que precisaram arrumar os 6 decretos de suplementação, as chamadas pedaladas fiscais, para atacá-la. Ela lembrou que, só em 2001, FHC fez 101 decretos de suplementação.

“Se praticam contra mim, o que irão praticar contra os trabalhadores? Esse golpe não é só contra a democracia e meu mandato. Ele também é contra as conquistas dos trabalhadores”, ressaltou.

Dilma ainda ressaltou que vai resistir ao golpe e que lutou a vida inteira. “É verdade que eu fiquei presa durante três anos, é verdade que eu lutei e resisti à ditadura”, afirmou ela. “A luta agora é muito mais ampla, é uma luta que nós vamos levar em favor de todas as conquistas democráticas da luta contra a ditadura e de todos os ganhos que nós tivemos nos últimos anos com o governo do Lula e do meu, é sobre isso que se trata defender um projeto (...) O golpe é contra a democracia, contra conquistas sociais. É dado também contra investimentos estratégicos no país, como o pré-sal. O mais grave é que impediram o Brasil de combater a crise econômica e o crescimento do desemprego. Eles vão aprofundar a crise. Quero dizer uma coisa para vocês: vou resistir, eu vou resistir e lutar até o fim", concluiu.

Fonte: Cláudio Motta Jr | Linha Direta

 
Fonte:

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais