CUT e FUP prometem lutar para defender pré-sal dos golpistas

Compartilhar

 

 

Para as entidades, governo golpista de Temer quer entregar a exploração do pré-sal para as multinacionais, tirando as riquezas nacionais do povo brasileiro

 

Quarta-feira, 25 de maio de 2016


Em manifesto divulgado nesta terça-feira (24), a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) prometem lutar para que o pré-sal não seja moeda de troca do governo golpista de Michel Temer.

O documento foi divulgado após anúncio de Temer de que irá priorizar a aprovação do Projeto de Lei 4567/16, de autoria do senador e ministro golpista José Serra (PSDB-SP), que tira da Petrobras a garantia de ser a operadora única do Pré-Sal e de ter participação mínima de 30% nos campos licitados.

“Como vínhamos alertando, o principal objetivo dos golpistas é tomar de assalto a mais cobiçada reserva de petróleo do planeta. Um tesouro que os especialistas estimam conter no mínimo 273 bilhões de barris de óleo”, afirma o manifesto.

Para as entidades, as medidas que abrem a exploração do Pré-Sal para as multinacionais visam “pagar a conta dos financiadores do golpe”.

Na avaliação da CUT e da FUP, “abrir a operação do Pré-Sal para as multinacionais é o primeiro passo para acabar com o regime de partilha, conquistado a duras penas pelo povo brasileiro para que o Estado possa utilizar os recursos do petróleo em benefício da população”.

O manifesto lembra que o Pré-Sal “é a maior riqueza que a nossa nação dispõe para garantir desenvolvimento econômico e social ao povo brasileiro” e que, por isso, é fundamental que uma empresa nacional como a Petrobras esteja na operação destas reservas.

“Abrir mão da Petrobrás como operadora do Pré-Sal é ir na contramão do mundo. Os trabalhadores e a sociedade organizada não permitirão que o Pré-Sal seja entregue à Chevron e às outras multinacionais, como prometeu José Serra, autor do projeto de lei que Michel Temer que aprovar. Essa conta não será paga pelo povo brasileiro”, finaliza o documento.

CUT e FUP prometem lutar para defender pré-sal dos golpistas
Para as entidades, governo golpista de Temer quer entregar a exploração do pré-sal para as multinacionais, tirando as riquezas nacionais do povo brasileiro
AddThis Sharing ButtonsShare to WhatsAppShare to FacebookShare to TwitterShare to Google+
CUT e FUP prometem lutar para defender pré-sal dos golpistas
MOVIMENTOS SOCIAIS#ForaTemer, #NãoAoGolpe
Foto: Roberto Parizotti/CUT
Postado por Agência PT, em 25 de maio de 2016 às 12:20:40

Em manifesto divulgado nesta terça-feira (24), a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) prometem lutar para que o pré-sal não seja moeda de troca do governo golpista de Michel Temer.

O documento foi divulgado após anúncio de Temer de que irá priorizar a aprovação do Projeto de Lei 4567/16, de autoria do senador e ministro golpista José Serra (PSDB-SP), que tira da Petrobras a garantia de ser a operadora única do Pré-Sal e de ter participação mínima de 30% nos campos licitados.

“Como vínhamos alertando, o principal objetivo dos golpistas é tomar de assalto a mais cobiçada reserva de petróleo do planeta. Um tesouro que os especialistas estimam conter no mínimo 273 bilhões de barris de óleo”, afirma o manifesto.

Para as entidades, as medidas que abrem a exploração do Pré-Sal para as multinacionais visam “pagar a conta dos financiadores do golpe”.

Na avaliação da CUT e da FUP, “abrir a operação do Pré-Sal para as multinacionais é o primeiro passo para acabar com o regime de partilha, conquistado a duras penas pelo povo brasileiro para que o Estado possa utilizar os recursos do petróleo em benefício da população”.

O manifesto lembra que o Pré-Sal “é a maior riqueza que a nossa nação dispõe para garantir desenvolvimento econômico e social ao povo brasileiro” e que, por isso, é fundamental que uma empresa nacional como a Petrobras esteja na operação destas reservas.

“Abrir mão da Petrobrás como operadora do Pré-Sal é ir na contramão do mundo. Os trabalhadores e a sociedade organizada não permitirão que o Pré-Sal seja entregue à Chevron e às outras multinacionais, como prometeu José Serra, autor do projeto de lei que Michel Temer que aprovar. Essa conta não será paga pelo povo brasileiro”, finaliza o documento.

Leia o manifesto na íntegra

A FUP e a CUT repudiam as medidas anunciadas pelo governo ilegítimo de Michel Temer, entre elas a intenção de abrir a exploração do Pré-Sal para as multinacionais. Como vínhamos alertando, o principal objetivo dos golpistas é tomar de assalto a mais cobiçada reserva de petróleo do planeta. Um tesouro que os especialistas estimam conter no mínimo 273 bilhões de barris de óleo.

Portanto, quando Temer anunciou nesta terça-feira (24) que irá priorizar a aprovação do Projeto de Lei 4567/16, que tira da Petrobrás a garantia de ser a operadora única do Pré-Sal e de ter participação mínima de 30% nos campos licitados, começou a pagar a conta dos financiadores do golpe.

Abrir a operação do Pré-Sal para as multinacionais é o primeiro passo para acabar com o regime de partilha, conquistado a duras penas pelo povo brasileiro para que o Estado possa utilizar os recursos do petróleo em benefício da população.

Além de ser a única petrolífera que movimenta a cadeia nacional do setor, gerando empregos e investimentos no país, a Petrobrás é também a única empresa que detém domínio tecnológico para operar o Pré-Sal com custos abaixo da média mundial. Menores custos significam mais recursos para a educação e a saúde, setores que o governo ilegítimo de Michel Temer anunciou que serão contingenciados.

O Pré-Sal, além de fazer do nosso país um dos principais produtores mundiais de petróleo, é a maior riqueza que a nossa nação dispõe para garantir desenvolvimento econômico e social ao povo brasileiro. Para isso, é fundamental que tenhamos uma empresa nacional de porte na operação destas reservas.

Abrir mão da Petrobrás como operadora do Pré-Sal é ir na contramão do mundo.

As empresas nacionais e estatais de petróleo detêm 90% das reservas provadas de óleo e gás do planeta e são responsáveis por 75% da produção mundial.

Se a Petrobrás deixar de operar o Pré-Sal, nenhuma outra petrolífera investirá em nosso país, movimentando a indústria nacional, como faz a estatal brasileira.

Mais de 90% das contratações do setor são feitas pela Petrobrás. Nenhum navio, sonda ou plataforma foram produzidos no Brasil a pedido das multinacionais que operam no país.

Os trabalhadores e a sociedade organizada não permitirão que o Pré-Sal seja entregue à Chevron e às outras multinacionais, como prometeu José Serra, autor do projeto de lei que Michel Temer que aprovar.

Essa conta não será paga pelo povo brasileiro.

José Maria Rangel - Coordenador Geral da FUP

Vagner Freitas - Presidente Nacional da CUT

 

Fonte:Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais