Foram às ruas bater panela e resultado foi Temer, ironiza Lula

Compartilhar

 

 

Durante evento no RJ, ex-presidente disse que agora "os coxinhas agora estão com vergonha". Ele saiu em defesa da Lei da Partilha do pré-sal e condenou Temer

 
 



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou, nesta segunda-feira (6), do ato político “Se é Público é Para Todos”, reunindo intelectuais, movimentos sociais, sindicais e lideranças políticas em defesa de empresas públicas fortes e focadas no desenvolvimento do país.

Para o ex-presidente Lula, “os coxinhas estão com vergonha”. “Os coxinhas agora estão com vergonha porque foram para a rua bater panela e o resultado não foi um risoto, foi Temer. Os coxinhas sabem que o ministério de Temer é o ministério do (Eduardo) Cunha. Mas sempre haverá nesse País mais gente de cabeça erguida, decente, do que coxinhas.”

“Quero dizer a cada um de vocês: não pensem que eles vão destruir o que nós construímos”, garantiu Lula.

Durante o evento, o ex-presidente criticou duramente as iniciativas do golpista Michel Temer, inclusive a proibição da presidenta Dilma usar aviões da FAB.

“Temer deu um golpe. O Senado apenas o colocou como presidente interino. Ele não tinha o poder de fazer o que ele fez contra Dilma, ao tentar proibir ela viajar o país”, disse.

“Ele cortou até o almoço da Dilma. Amanhã vamos comer marmitex”, ironizou o ex-presidente.

Lula relembrou a importância da descoberta do pré-sal e da aprovação da lei da partilha, além da priorização ao conteúdo nacional para os investimentos da estatal. “Eu me orgulho de ter investido na indústria naval, de ser o presidente que mais investiu e visitou a Petrobrás.”

O ex-presidente também criticou Michel Temer, que “não deu um golpe só na democracia, mas também na decisão do Senado”, que o nomeou apenas interinamente para o cargo de presidente. “O ministério que está montado é o do Eduardo Cunha”, ressaltou Lula. O ex-presidente admitiu erros dos governos petistas, mas disse que quer que Dilma volte “exatamente para corrigir os erros que nós cometemos.”

Lula também defendeu o legado dos seus dois mandatos. “Eu sempre quis provar que um peão de quarto ano primário de escolaridade seria capaz. Que conseguiria pensar o Estado brasileiro politicamente melhor que toda a elite que governou esse país 500 anos. Eu queria provar que o pobre não era o problema, que era a solução desse país, à medida que a gente desse uma oportunidade”. Lula lembrou programas sociais como o Luz Para Todos, os subsídios do Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família. “Eu prefiro ser chamado de atrasado, mas eu quero garantir ao povo brasileiro as coisas elementares que todo o ser humano tem direito de ter.” Para ele “somente o estado, só a coisa pública, pode levar aquilo de qualidade que os ricos nunca levaram e nunca vão levar na casa do povo pobre.”

Lula também apontou que as empresas estatais e outras importantes instituições foram criadas há muito tempo. O Banco do Brasil foi criado em 1808, a Caixa também no século 19, o BNDES, a Petrobrás, o Basa e o BNB foram criados nas décadas de 40 e 50. E o Sistema Único de Saúde, o SUS, em 1988.

João Antônio de Moraes, da Federação Única dos Petroleiros (FUP) disse que a pressa do governo interino de privatizar é para “levar o povo trabalhador que ascendeu de volta para a senzala”. Para Moraes, se Lula não tivesse sido eleito em 2002 a Petrobrás não existiria mais. “Quando você chegou ao governo a Petrobrás gastava 100 milhões em pesquisa em desenvolvimento e hoje investe 1 bilhão em pesquisa e desenvolvimento.”

O ex-presidente lembrou que o BNDES tinha só 30 bilhões de financiamento, e passou a ter mais de 200 bilhões de financiamento.Para Lula, “houve um tempo que a elite brasileira, incompetente para governar esse país, achava que tudo ia se resolver se a gente vendesse as empresas e desobrigasse os governos de governar.”

A campanha “Se é público é para todos”, é uma mobilização de diversos setores. Entre os pontos discutidos no encontro estão os projetos de lei que trazem ameaças às estatais e ao setor público de forma geral. Entre eles, o PLS 555, que transformaria as estatais em sociedades anônimas e traria a proibição de que representantes sindicais e/ou políticos participassem de seus conselhos. O projeto, que agora segue na Câmara dos Deputados como PL 4918, abre portas à privatização das empresas públicas.

 

Fonte: Instituto Lula, com informações de agências

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais