Para Dilma, programa dos golpistas não passaria nas urnas

Compartilhar
 


O golpista Michel Temer está “desmontando o País” e seu programa de governo “não passaria nas urnas”, afirmou a presidenta eleita Dilma Rousseff, em ato nesta quinta-feira (16) em Salvador (BA).

“Não há nenhuma justificativa, nem sequer razão para reduzir justamente saúde e educação num país como o Brasil. Sabemos que este programa levado a cabo pelo governo golpista e provisório não passaria nas urnas deste País. Um governo provisório não pode desmontar o País, não pode fazer o País voltar atrás”, disse.

A crítica da presidenta faz referência à proposta enviada por Temer ao Congresso, que retira o índice mínimo de investimento em saúde e educação. “Nós sabemos que eles estão desmontando as conquistas que nós fizemos”, ressaltou.

Recebida aos gritos de “volta, querida” e por uma ‘chuva’ de pétalas de rosas e pipoca, tradição do candomblé para afastar maus fluidos, Dilma agora é Cidadã Baiana. O título foi entregue durante cerimônia na Assembleia Legislativa do estado.

“Receber este título é uma honra. Estou muito feliz porque agora também sou baiana”, disse Dilma, afirmando que tem obrigação de defender e honrar seus 54,5 milhões de votos, muitos deles recebidos pelos baianos.

“A Bahia é uma terra que tem tradição de luta pela soberania do País e é uma terra que segue comigo, tenho certeza, reafirmar a questão democrática e da soberania nacional”, falou a petista, fazendo referência ao 2 de julho, que marca a Independência da Bahia.

Programas sociais ameaçados pelos golpistas
A importância do programa Mais Médicos, principalmente para estados com a Bahia na garantia de atendimento médico para quem não tinha antes, foi um dos exemplos dados pela presidenta de ações do seu governo em prol da saúde da população, e que agora está ameaçado pelos golpistas.

O Bolsa Família também “está correndo risco”, afirmou Dilma, lembrando que o programa atende 7,2 milhões de baianos.

“Agora está correndo risco. Cada vez que falaram que o programa tem que ser focado, que tem que pagar só para 5% das famílias, isso tem na base disso um preconceito de que quem recebe está enganado e fingindo que precisa. É um preconceito forte contra os pobres”, destacou.

Ela apontou que Temer quer acabar com a faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida, que destina imóveis para famílias mais pobres, com renda familiar mensal até R$ 2 mil.

“Acabar com a faixa 1 é ferir o Minha Casa Minha Vida de morte, é acabar com o programa. 80% do déficit habitacional está nesta faixa”, explicou.

A presidenta eleita ainda listou obras e projetos sociais que seu governo realizou na Bahia. “Tenho muito orgulho de ter investido muito na Bahia em todos os sentidos. Encontrei aqui a vontade política para que juntos pudéssemos transformado a realidade e superar desafios”, afirmou.

Fonte: Por Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais