Em ato de desagravo ao PT, Emidio enfatiza que intolerância não intimida petistas

Compartilhar

 

Realizado na noite desta sexta, ato foi encerrado com abraço ao diretório que foi atacado



Dezenas de militantes se reuniram na frente do Diretório Nacional do PT, na região central de São Paulo, na noite desta sexta-feira (01), em ato de solidariedade ao partido.

Reação aos atentados provocados provocados na última quinta-feira, o ato foi mobilizado pelos diretórios estadual e municipal do PT em São Paulo.

A atividade contou com a participação de lideranças do PCdoB e PCO e foi encerrada com um abraço simbólico à sede do PT.

Presente no ato, o presidente estadual da CUT-SP, Douglas Izzo, destacou que o PT sofre ataques devido seus acertos em políticas de inclusão. Segundo ele, ao incorporar demandas da população, o partido conseguiu melhorar a vida de muitos e isso alimentou o surgimento de uma política de odio e desmoralização por parte da elite e da mídia.

O líder da bancada petista na Assembleia Legislativa, José Zico Prado, pediu mais resistência e falou que o maior patrimônio do PT é sua militância. De acordo com o deputado, os ataques só dão mais fôlego para a luta. "Cada vez que fazem coisas como essa aumentam a nossa força, coragem e vontade de lutar", destacou.

Enfático, o presidente estadual do PT-SP, Emidio de Souza, lembrou que a agressão contra o diretório nacional não foi o primeiro episódio de ódio contra o partido e salientou que tais atos de ódio são alimentados ela mídia.

Emidio também demonstrou solidariedade aos dirigentes e funcionários que trabalham no Diretório Nacional e pontuou que onde o PT for atacado, sempre haverá alguém para defendê-lo. "Os intolerantes não vão nos intimidar, nosso Partido e nossa militância não vão desistir", ressaltou.

Ao agradecer a militância, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, exaltou a prontidão e destacou que os petistas não se intimidam com ameaças. “A resistência e a solidariedade que vocês nos trazem têm um significado elevadíssimo. Ontem, recebemos uma mensagem do presidente Lula nos animando e nos confortando para que a gente não abaixe a cabeça. E militante do PT não abaixa a cabeça!”, disse.

Rui avalia que, para cometer dois ataques contra o partido no mesmo dia, o sujeito deve estar contaminado pelo ódio e intolerância que setores da sociedade destilam contra o PT. De acordo com ele, esses momentos mostram a capacidade do partido. “São em momentos como esse que vemos como o PT é forte. Como existe unidade entre nós; não apenas em defesa de um partido ou de uma sede. É em defesa de uma causa”, enfatizou.

Uma das principais mobilizadoras do ato, a secretária estadual de Movimentos Populares do PT-SP, Alessandra Dadona, avalia que o ato serviu para somar às manifestações de solidariedade que o PT recebeu em tempos de tanta intolerância. De acordo com ela, a atividade mostra que o partido continua vivo, forte e não vai se intimidar com ataques estimulados por essa onda de ódio. "Nós passaremos por tudo isso com a cabeça erguida", frisou.

Fonte:  Cláudio Motta Jr | Linha Direta

 

 

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais