Marcio Pochmann compara PEC 241 ao primeiro ato da Ditadura Militar

Compartilhar

 

Presidente da Fundação Perseu Abramo concedeu entrevista para a TVLD, do portal Linha Direta

 



Em entrevista ao programa Direitos Humanos Urgente, apresentado por Julian Rodrigues, o economista e presidente da Fundação Perseu Abramo, Marcio Pochmann falou sobre o afastamento da presidenta Dilma,  dos principais danos que a PEC 241 pode causar, além de analisar o cenário pós-golpe e sua agenda neoliberal.



No bate-papo, o economista analisou o afastamento da presidenta Dilma e suas implicações no  futuro. “Praticamente é um terceiro turno das eleições em que os golpistas foram, mais uma vez, derrotados nas eleições de 2014. Ali fica muito claro que uma parte da sociedade, representados pelos partidos de direita, não aceita a democracia”, explicou o economista.

Para Pochmann, é o mesmo processo que se assistiu em 1964. “Àqueles que fizeram o golpe em 1964, viviam concorrido em eleições anteriores, nos anos de 1950, e não tiveram êxito do ponto de vista eleitoral e o abandono da democracia foi a possibilidade deles estabelecerem esse programa novo, o que deu todo o roteiro do regime militar por 21 anos”, destaca.



“A PEC 241, guardada a sua proporção, é a mesma ação que esteve no ato institucional número 1".



O economista também falou sobre a PEC 241. Segundo ele, guardada sua devida proporção, a medida pode ser comparada ao primeiro ato pós-golpe militar. “A PEC 241, guardada a sua proporção, é a mesma ação que esteve no ato institucional número 1. O ato institucional, o AI-1, depôs o presidente eleito João Goulart, naquele momento ele era vice e assumiu como presidente. Até aquele momento as eleições se votavam em presidente, e para o vice (...) Neste  ato institucional, o AI-1, está lá a definição do teto de gastos do setor público e uma vez instituído isso vem uma série de reformas no âmbito do PAEG (Programa de Ação Econômica do Governo), a reforma trabalhista, com Fundo de Garantia, por tempo de serviço e o fim da estabilidade do emprego”, compara o economista. 

Aperte o play e confira à íntegra da entrevista



  Fonte: Elineudo Meira / Portal Linha Direta
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais